Exibindo artigos em "Notícias"

O Papa Francisco e a mensagem pelo 15º Domingo Comum

jul 14, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

O Papa rezou com os fiéis na Praça São Pedro a oração do Angelus, comentando o Evangelho deste 15º Domingo do Tempo Comum. O trecho de Marcos (cf. Mc 6,7-13) fala de Jesus que envia seus discípulos em missão “dois a dois”.

Em sua alocução, Francisco se deteve sobre o fato de os discípulos serem enviados juntos e levarem consigo apenas o necessário.

“O Evangelho não é proclamado sozinho, mas em conjunto, como comunidade, e para fazer isso é importante saber preservar a sobriedade”, explicou o Pontífice. É importante saber ser sóbrio no uso das coisas, compartilhando recursos, habilidades e dons, prescindindo do supérfluo, que “escraviza”. Só assim se é livre.

A sobriedade, prosseguiu Francisco, também é necessária nos pensamentos e nos sentimentos, abandonando preconceitos e a rigidez que, como bagagem inútil, pesam e dificultam o caminho, para favorecer, ao invés, o debate e a escuta e, assim, tornar o testemunho mais eficaz.

É o que acontece nas famílias ou comunidades: quando nos contentamos com o necessário, mesmo com pouco, com a ajuda de Deus é possível seguir em frente e se entender, compartilhando o que se tem, todos renunciando a alguma coisa e apoiando-se mutuamente. Para o Pontífice, isso já é um anúncio missionário, antes e até mais do que palavras, porque encarna a beleza da mensagem de Jesus na concretude da vida.

“Uma família ou uma comunidade que vive dessa forma, de fato, cria em torno de si um ambiente rico de amor, no qual é mais fácil abrir-se à fé e à novidade do Evangelho, e do qual se sai melhor e mais sereno.”

Se, ao contrário, cada um segue seu próprio caminho, se o que conta são apenas as coisas – que nunca são suficientes -, se não há escuta, se prevalecem o individualismo e a inveja, que é “mortal, um veneno”, o ar se torna pesado, a vida difícil, e os encontros se tornam mais ocasião de inquietação, tristeza e desânimo do que de alegria.

“Queridos irmãos e irmãs, comunhão e sobriedade são valores importantes para a nossa vida cristã, valores indispensáveis para uma Igreja missionária, em todos os níveis.”

O Papa então convidou os fiéis a se questionarem: sinto prazer em anunciar o Evangelho, de levar, onde vivo, a alegria e a luz que provêm do encontro com o Senhor? Para fazer isso, estou comprometido em caminhar junto com os outros, compartilhando com eles ideias e habilidades, com mente aberta e coração generoso? E finalmente: sei como cultivar um estilo de vida sóbrio e atento às necessidades dos irmãos?

“Que Maria, Rainha dos Apóstolos, ajude-nos a ser verdadeiros discípulos missionários, em comunhão e sobriedade de vida”, concluiu Francisco, concedendo a todos a sua bênção apostólica.

Fonte
Vatican News

Precisamos do escândalo da fé, disse o Papa Francisco em Trieste

jul 7, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

“Para despertar a esperança dos corações aflitos e apoiar os esforços do caminho, Deus sempre suscitou profetas entre o seu povo”, disse o Pontífice no início de sua homilia. Muitas vezes os profetas encontraram um povo rebelde e foram rejeitados e Jesus também tem a mesma experiência dos profetas. “Retorna a Nazaré, sua pátria, entre as pessoas com as quais cresceu, mas não é reconhecido”. Ele «era motivo de escândalo para eles», conforme diz o Capítulo 6° do Evangelho de Marcos.

O Papa disse que “a palavra ‘escândalo’ não se refere a algo obsceno ou indecente como a usamos hoje; escândalo significa ‘uma pedra de tropeço’, ou seja, um obstáculo, um impedimento, algo que bloqueia e impede de ir adiante”. As pessoas não conseguem entender “como do filho de José, o carpinteiro, ou seja, de uma pessoa comum, poderia surgir tanta sabedoria e até mesmo a capacidade de realizar prodígios. O escândalo, então, é a humanidade de Jesus. O obstáculo que impede estas pessoas de reconhecer a presença de Deus em Jesus é o fato de que Ele é humano, é simplesmente o filho de José, o carpinteiro”.

Precisamos do escândalo da fé
“Este é o escândalo: uma fé fundada num Deus humano, que se inclina para a humanidade, que cuida dela, que se comove com as nossas feridas, que toma sobre si o nosso cansaço, que se parte como pão para nós”, sublinhou o Papa, acrescentando que “um Deus forte e poderoso, que está do meu lado e me satisfaz em tudo é atraente; um Deus fraco, que morre na cruz por amor e também me pede para vencer todo egoísmo e oferecer a vida pela salvação do mundo, é um Deus incômodo”.

Mas, colocando-nos diante do Senhor Jesus e olhando para os desafios que nos interpelam, para os muitos problemas sociais e políticos também discutidos nesta Semana Social, para a vida concreta da nossa gente e seus esforços, podemos dizer que hoje precisamos exatamente disto: do escândalo da fé. Não de uma religiosidade fechada em si mesma, que ergue o olhar para o céu sem se preocupar com o que acontece na terra e celebra liturgias no templo esquecendo-se da poeira que corre pelas nossas estradas.

“Precisamos do escândalo da fé”, disse ainda Francisco, “de uma fé arraigada no Deus que se fez homem e, portanto, de uma fé humana, de uma fé de carne, que entra na história, que acaricia a vida das pessoas, que cura os corações partidos, que se torna fermento de esperança e germe de um mundo novo”.

Fé que põe o dedo nas feridas da sociedade
É uma fé que desperta as consciências do torpor, que põe o dedo nas feridas da sociedade, que levanta questões sobre o futuro do homem e da história; é uma fé inquieta, uma fé que se move de coração a coração, uma fé que acolhe os problemas da sociedade, uma fé que nos ajuda a vencer a mediocridade e a acídia do coração, que se torna um espinho na carne de uma sociedade muitas vezes anestesiada e atordoada pelo consumismo.

A esse propósito, o Papa perguntou: “Vocês já pensaram se o consumismo entrou no coração de vocês? Aquela ânsia de ter, de ter coisas e ter mais. Aquela ânsia de desperdiçar dinheiro. O consumismo é uma chaga. É um câncer que adoece o coração, que torna a pessoa egoísta, que faz a pessoa olhar apenas para si mesma”.

Irmãos e irmãs, precisamos de uma fé que dispersa os cálculos do egoísmo humano, que denuncia o mal, que aponta o dedo contra as injustiças, que perturba as tramas de quem, na sombra do poder, brinca com a pele dos fracos. Quantos usam a fé para explorar as pessoas! Isto não é fé.

O infinito de Deus está escondido na miséria humana
A seguir, o Papa disse que não devemos nos esquecer de que “Deus se esconde nos cantos escuros da vida e das nossas cidades. A sua presença se revela precisamente nos rostos escavados pelo sofrimento e onde a degradação parece triunfar”.

O infinito de Deus está escondido na miséria humana, o Senhor se agita e se torna presença amiga precisamente na carne ferida dos últimos, dos esquecidos e dos descartados. Ali, Deus se manifesta. E nós, que às vezes nos escandalizamos inutilmente com muitas pequenas coisas, faríamos bem em nos perguntar: por que não nos escandalizamos diante do mal que se espalha, da vida humilhada, dos problemas do trabalho, do sofrimento dos migrantes? Por que permanecemos apáticos e indiferentes diante das injustiças do mundo? Por que não levamos a sério a situação dos encarcerados, que também desta cidade de Trieste se eleva como um grito de angústia? Por que não contemplamos a miséria, a dor, o descarte de tantas pessoas da cidade? Temos medo. Temos medo de encontrar Cristo ali.

Indignar-se com as situações em que a vida é brutalizada
“Jesus viveu em sua própria carne a profecia do cotidiano, entrando na vida e nas histórias diárias do povo, manifestando a compaixão nas vicissitudes humanas. Ele manifestou o ser de Deus que é compassivo. Ele permaneceu fiel à sua missão, não se escondeu atrás da ambiguidade, não aceitou a lógica do poder político e religioso. Fez da sua vida uma oferta de amor ao Pai. Assim também nós, cristãos, somos chamados a ser profetas e testemunhas do Reino de Deus, em todas as situações que vivemos, em todos os lugares em que vivemos”, disse ainda o Papa.

Desta cidade de Trieste, com vista para a Europa, encruzilhada de povos e culturas, terra de fronteira, alimentemos o sonho de uma nova civilização fundada na paz e na fraternidade; não nos escandalizemos com Jesus, mas, pelo contrário, indignemo-nos com todas aquelas situações em que a vida é brutalizada, ferida e morta; levemos a profecia do Evangelho em nossa carne, com as nossas escolhas antes mesmo das palavras. Com a coerência entre escolhas e palavras.

Francisco concluiu, incentivando a Igreja em Trieste a continuar “trabalhando na linha de frente para difundir o Evangelho da esperança, especialmente para aqueles que chegam da rota dos Balcãs e para todos aqueles que, no corpo ou no espírito, precisam ser encorajados e consolados. Empenhemo-nos juntos: para que, redescobrindo-nos amados pelo Pai, possamos todos viver como irmãos. Todos irmãos, com o sorriso do acolhimento e da paz na alma”.

Fonte
Vatican News

ÓBOLO DE SÃO PEDRO: os gestos de caridade do Papa

jun 30, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Em 2023, as receitas do Fundo Óbolo de São Pedro, destinadas a atender às necessidades da Igreja universal e a apoiar numerosas iniciativas em favor dos mais necessitados, totalizaram 52 milhões de euros (48,4 milhões de doações recebidas e 3,6 milhões de receitas financeiras realizadas com a remuneração do patrimônio), enquanto as despesas totalizaram 109,4 milhões de euros.

Um terço de doações das dioceses: EUA o maior benfeitor
São três as principais formas pelas quais o Fundo é alimentado: a coleta recolhida nas igrejas de todo o mundo na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo e enviada à Santa Sé pelas dioceses italianas e, por meio das Representações Pontifícias, pelas dioceses estrangeiras; ofertas diretas enviadas por meio de transferências bancárias e postais de contas correntes, cheques ou por meio do site com cartões de crédito e PayPal; legados hereditários.

A parcela recebida das dioceses é de 31,2%, enquanto os doadores privados representam 2,1%. A isso deve ser adicionada a parcela proveniente das Fundações (13,9%) e um residual de 1,2% de Ordens Religiosas. Geograficamente, os Estados Unidos são os maiores benfeitores, com uma grande diferença em relação aos outros países: Itália, Brasil, Alemanha, Coreia, França e outros.

236 projetos financiados em 76 países
Dos 103 milhões desembolsados pelo Óbolo em 2023, 90 milhões de euros foram usados para apoiar as atividades realizadas pela Santa Sé a serviço da missão apostólica do Papa, e 13 milhões para apoiar projetos que prestam assistência direta aos mais necessitados (famílias, dioceses, paróquias e institutos religiosos em dificuldade, emigrantes e refugiados, pessoas afetadas pela guerra e pela fome, comunidades afetadas pelas consequências desastrosas da mudança climática, pessoas que precisam de assistência humanitária). Em 2023, o Fundo Óbulo apoiou 236 projetos em 76 países, financiando-os em um valor total de 13 milhões de euros.

O continente europeu foi o que recebeu o maior compromisso financeiro, seguido pela África e pelas Américas. Com relação aos projetos implementados na Europa, meio milhão de euros foi usado para financiar bolsas de estudo para padres, seminaristas e religiosos da África, América Latina e Ásia, para oferecer um curso de estudos em universidades pontifícias; pouco menos de um milhão foi doado à Ucrânia devastada pela guerra para patrocinar várias iniciativas pastorais e sociais.

Em 2023, aumento das ofertas recebidas
Em 2022, as receitas do Óbolo totalizaram 107 milhões de euros (mais que o dobro do valor de 2023), enquanto as despesas totalizaram 95,5 milhões. Deve-se observar que um ganho de capital significativo foi realizado em 2022, graças à venda de ativos imobiliários do Fundo do Óbolo de São Pedro. De fato, em 2023, as doações aumentaram em quase 5 milhões de euros, totalizando 48,4 milhões de euros em comparação com os 43,5 milhões de euros de doações recebidas em 2022. Deve-se notar que, para o apoio à missão apostólica do Papa, o escopo das despesas envolve 68 dicastérios, órgãos e organizações que servem à missão universal do Pontífice: em 2023, consistiu em 370,4 milhões de euros, dos quais cerca de 90 milhões foram cobertos pelo Óbolo.

FONTE
Vatican News

Festa das Nações apresenta resultado da edição 2024

jun 23, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

A Festa das Nações, em sua 28ª edição, arrecadou R$ 527.745,24. O resultado é 1,42% maior que o lucro de 2023 (R$ 520.353,62). Em termos comparativos, os valores correspondem a pouco mais que três meses de despesas da Obra Social.

Os números, auditados por Valdecir Buosi, da Buosi Auditoria & Consultoria, foram apresentados na noite de quinta-feira, 20 de junho. Além dos representantes de Nações, dos coordenadores das áreas de serviços e de demais voluntários, estiveram presentes ao encontro o presidente do Serviço Social São Judas Tadeu, Pe. Luiz Caputo e o presidente do evento, Júnior Villanova.

Considerando a atualização de valores por parte de fornecedores de serviços e insumos, a ampliação do resultado foi bastante comemorada. “É um fôlego importante em um momento onde ampliamos o atendimento. O Serviço Social, por exemplo, passou a funcionar no período noturno. São quase 600 pessoas atendidas no contraturno escolar ou na formação profissional oferecida em parceria com o SENAC”, disse o padre.

Para Villanova, o resultado também foi surpreendente. “A Festa cresceu muito. Isso demanda um investimento maior em infraestrutura e segurança. Outro aspecto é a atualização geral dos preços. Nesse cenário, aferir aumento de arrecadação é muito positivo”, disse.

Satisfação
Coordenada pela Central Criativa, em sua primeira participação na Festa, a ação solidária foi muito bem avaliada pelo público em pesquisa de satisfação; ação inédita realizada nos 3 dias da “viagem gastronômica” que mobilizou mais de 500 voluntários. “Os números indicaram que a Festa das Nações está no coração do riopretense e de toda a Região”, declararam Júlia Marin e Rodrigo Figueira. Mesmo diante do cenário positivo, os organizadores garantiram o aperfeiçoamento de processos e novidades para 2025. Com “sabor de solidariedade”, a 29ª edição acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de junho.

Transparência
Além da síntese do balancete, Valdecir Buosi colocou à disposição dos presentes as notas fiscais e demais documentos contábeis agrupados por segmento. “Todos podem acompanhar, item a item, tudo o que foi gasto”, sublinhou. Os documentos seguem disponíveis para análise na sede da Entidade.

A pedido do Pe. Luiz Caputo, em 2025, a reunião para apresentação da Prestação de Contas será ampliada em número de participantes. “Quanto mais gente estiver presente, mais transparente fica todo o processo”, explicou o padre ao pedir o empenho de todos na multiplicação das informações (que igualmente foram disponibilizadas à imprensa).

Investimento
A primeira ação a ser realizada com os recursos da Festa é a recuperação da estrutura da quadra de esportes. Além de servir como espaço de interação dos educandos e para a realização de eventos, a área sustenta as placas de energia solar. Considerando essa realidade, e o peso das mesmas, reforços estruturais e pintura anticorrosiva são necessárias. “Ao longo do ano promoveremos outras adequações para bem acolher os nossos educandos. Agradeço a confiança do público. Juntos estamos construindo uma sociedade mais justa, fraterna e socialmente emancipada”, concluiu o Pe. Caputo.

TEXTO
André Botelho
Assessoria de Comunicação
Serviço Social São Judas Tadeu

 

Paróquia São Judas participa de Assembleia Diocesana

jun 23, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Em “saída”, a Diocese de São José do Rio Preto viveu sua 26ª Assembleia de Pastoral. O encontro contou com assessoria do padre Carlos Alberto Contieri, SJ. Também foram apresentados outros olhares: o socioeconômico (Seminarista Jhon Maike Lauriano e Pe. Fábio Dungue) e o pastoral (Pe. Alexandre Ferreira dos Santos) após oração inicial conduzida por diáconos permanentes e seminaristas. Café da manhã e lanches foram oferecidos por Paróquias na sede da Diocese (Imaculada Conceição de Maria e Jesus Bom Pastor e São Sebastião).

O bispo diocesano, Dom Antonio Emidio Vilar, sdb, em outra etapa, conduziu a bênção inaugural do Centro de Pastoral São José. O espaço foi constituído para garantir condições para realização de reuniões, encontros e cursos de formação. O Pe. Edvaldo Calazans (vigário geral), Pe. Luiz Caputo (coordenador de pastoral), Ir. Rosângela Fontoura (secretária de pastoral) e Pe. Rafael Henrique dos Santos (ecônomo) acompanharam o gesto.

“Uma Igreja em saída é uma Igreja orante”, sintetizou o Pe. Contieri antes do envio dos Vigários Forâneos em missão. Velas para destacar a caminhada no Ano da Oração foram entregues. A 26ª Assembleia Diocesana resultará em assembleias paroquiais que favorecerão a discussão dos encaminhamentos e a coleta de sugestões em prol da formulação do futuro plano de pastoral da Diocese de São José do Rio Preto.

A Comunidade do Santuário São Judas Tadeu foi representada por Emerson Escola e Sueli Liebano.

Texto
André Botelho
Assessoria de Comunicação
Santuário São Judas Tadeu

ANGELUS: “Jesus não nos poupa dificuldades, mas nos ajuda a enfrentá-las”

jun 23, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Jesus não nos poupa dificuldades, mas nos ajuda a enfrentá-las: foi o que disse o Papa ao rezar o Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro neste XII Domingo do Tempo Comum. O Evangelho apresenta Jesus na barca com os discípulos, no lago de Tiberíades. Improvisamente, chega uma forte tempestade e a barca corre o risco de afundar. Jesus, que estava dormindo, acorda, ameaça o vento e tudo volta à calmaria (cfr Mc 4,35-41).

No entanto, a situação assusta os discípulos, mesmo sendo eles pescadores. “Parece que Jesus queria colocá-los à prova”, comentou Francisco. Quando começa o pânico na embarcação, com a sua presença, Jesus os conforta, os encoraja e os exorta a terem mais fé. Para o Pontífice, o Mestre faz isso por dois motivos: reforçar a fé dos discípulos e torná-los mais corajosos.

Com efeito, eles saem dessa experiência mais conscientes da potência de Jesus e da sua presença em meio a eles e, portanto, mais fortes e prontos a enfrentar outros obstáculos e dificuldades, inclusive o medo de se aventurar para anunciar o Evangelho.

“E também conosco Jesus faz o mesmo, em especial na Eucaristia: nos reúne em volta de Si, nos doa a sua Palavra, nos nutre com o seu Corpo e o seu Sangue, e depois nos convida a tomar o largo, para transmitir a todos o que ouvimos e compartilhar com todos o que recebemos, na vida de todos os dias, mesmo quando é difícil.”

Jesus, prosseguiu Francisco, não nos poupa as contrariedades, mas, sem nunca nos abandonar, nos ajuda a enfrentá-las, “nos faz corajosos!”. Deste modo, nós aprendemos sempre mais a nos agarrar a Ele, a confiar na sua potência, que vai bem além de nossas capacidades, a superar as incertezas e as hesitações, os fechamentos e os preconceitos, com coragem e grandeza de coração, para dizer a todos que o Reino dos Céus está presente, é aqui, e que com Jesus ao nosso lado podemos fazê-lo crescer juntos para além de qualquer barreira.

O Papa então se dirige aos fiéis com alguns questionamentos: nos momentos de provação, sei fazer memória das vezes em que experimentei, na minha vida, a presença e a ajuda do Senhor? Quando chega a tempestade, me deixo levar pela agitação ou me agarro a Ele, para encontrar calma e paz, na oração, no silêncio, na escuta da Palavra, na adoração e na compartilha fraterna da fé?

“Que a Virgem Maria, que acolheu com humildade e coragem a vontade de Deus, nos doe, nos momentos difíceis, a serenidade de se abandonar a Ele”, concluiu.

Fonte
Vatican News

ANGELUS: “Jesus era livre diante das riquezas”

jun 9, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

O homem deve sempre se perguntar se ainda é uma pessoa livre ou se, em vez disso, está se tornando “prisioneiro de mitos do dinheiro, do poder e do sucesso”. “Mitos” que, segundo o Papa Francisco, levam a sacrificar a serenidade e a paz, a minha e a dos outros”. No habitual Angelus dominical, o Santo Padre convidou os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro a refletirem sobre a liberdade de Jesus, que era “completa e sem condicionamentos”.

“Jesus era um homem livre”, enfatizou o Pontífice, diante das riquezas, diante do poder e diante da busca pela fama e aprovação.

Jesus era livre diante das riquezas: por isso, deixou a segurança de seu vilarejo, Nazaré, para abraçar uma vida pobre e cheia de incertezas, curando gratuitamente os doentes e qualquer pessoa que o procurasse para pedir ajuda, sem nunca pedir nada em troca.

Fiéis na Praça São Pedro
Jesus era livre diante do poder, continuou o Papa: “de fato, embora chamasse muitos para segui-lo, nunca forçou ninguém a fazê-lo, nem procurou o apoio dos poderosos, mas sempre se colocou do lado dos últimos, ensinando seus discípulos a fazerem o mesmo”.

“Por fim, era livre diante da busca de fama e da aprovação e, por isso, nunca desistiu de falar a verdade, mesmo ao custo de não ser compreendido, de se tornar impopular, até o ponto de morrer na cruz, não se deixando intimidar, nem comprar, nem corromper por nada e por ninguém”.

“E isso também é importante para nós”, disse ainda o Papa, exortando os fiéis a sempre se perguntarem: “sou uma pessoa livre? Ou me deixo aprisionar pelos mitos do dinheiro, do poder e do sucesso, sacrificando a estes a serenidade e a paz minha e dos outros?” “Se nos deixamos condicionar pela busca do prazer, do poder, do dinheiro ou do sucesso, nos tornamos escravos dessas coisas”, destacou o Pontífice.

Concluindo: “que a Virgem Maria nos ajude a viver e amar como Jesus nos ensinou, na liberdade de filhos de Deus”.

FONTE 
Vatican News

Pe. Luiz Caputo participa de Assembleia do Regional Sul 1

jun 9, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Aconteceu entre os dias 4 e 6 de junho, no Mosteiro de Itaici, a 86ª Assembleia Regional dos Bispos. Dom Antonio Emidio Vilar, sdb, e o coordenador de pastoral e pároco do Santuário São Judas, Pe. Luiz Caputo, representam a Diocese de São José do Rio Preto. O Pe. Carlos Eduardo Nascimento e o jornalista André Botelho, respectivamente, prestaram assessoria ao Regional Sul 1 da CNBB nas áreas de Liturgia e Comunicação.

Teologia do Domínio
A Assembleia acolheu, em suas primeiras sessões, o Pe. Donizete José Xavier. Doutor em Teologia Fundamental pela Universidade Gregoriana de Roma, o orientador do encontro das lideranças paulistas sublinhou a existência de um movimento que “cria um reino aqui e agora. Uma projeção de poder que vai sendo construída. A Teologia do Domínio é o ‘encanto pelo poder’ que está posto nas mãos de alguns; uma teologia que dispensa sistematizações”, explicou. Revisitando a cronologia do “fenômeno” exposto, o Pe. Donizete mostrou uma mudança do “não envolver-se com a política” com a “descoberta de caminhos teológicos” para pavimentar a pretendida proximidade com a mesma política. Nesse aspecto, religião e política se tornaram próximas também nas agendas públicas, como explicou o padre.

Alertando para o fato de na Teologia do Domínio não existir referências da Encarnação de Cristo, o expositor alertou que “ignorar essa Encarnação de Jesus como centro da mensagem cristã é anular o seu senhoril e o seu Reino. Jesus é a própria presença do Reino, uma vez que sua pessoa é uma realidade dinâmica. (…) O perigo da Teologia do Domínio é ver no outro somente o inimigo, o pecador e o pecado, e nesse sentido, cultivar um sentimento muito mais de fratricídio do que o de fraternidade”, sublinhou o presbítero.

O primeiro dia da 86ª edição da Assembleia Regional dos Bispos foi encerrada com Missa presidida pelo Bispo Diocesano de São João da Boa Vista, Dom Eugenio Barbosa Martins e concelebrada pelos bispos recentemente ordenados.

Caráter oracional
Seja meditando a Liturgia das Horas ou comungando da Palavra e da Eucaristia, os participantes do encontro, que alcança a sua edição de número 86, fazem da oração e do testemunho dos Santos um importante alicerce para a Evangelização. Na manhã de quarta-feira, 5 de junho, segundo dia da Assembleia Regional, a programação foi retomada a partir de Celebração Eucarística presidida pelo bispo diocesano de São Carlos e presidente da Sub-região Campinas, Dom Luiz Carlos Dias. Após saudação, o religioso sublinhou a existência de desafios para a evangelização e retomou aspectos da Teologia do Domínio, tema das exposições realizadas nas sessões iniciais do encontro. “Diante dos desafios, é importante valorizar São Bonifácio, cujo martírio aconteceu há 1270 anos. Seu testemunho é oportuno dentro da Assembleia. Deus não nos concedeu o espírito de timidez e essa característica aplica-se a esse evangelizador que deixou a pátria segura para evangelizar junto aos germânicos. Ele foi o primeiro a gerar-lhes na fé”, explicou Dom Luiz Carlos. “Esse pequeno resumo da imensa obra de São Bonifácio nos esperança com respostas imediatas às exigências atuais”, completou o bispo de São Carlos.

Ano Santo
Ainda no contexto da Oração, e em sintonia com a preparação para o Jubileu 2025, a Assembleia Regional dos Bispos acompanhou exposição do Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto e vice-presidente do Regional Sul 1, Dom Moacir Silva. O metropolita sublinhou a recepção e vivência da proposta, no Estado de São Paulo, à luz do tema “Peregrinos de Esperança”.

Considerando que “a esperança não engana”, conforme indicou o Papa Francisco na Bula de convocação do Jubileu, Dom Moacir recordou que o início do itinerário jubilar se dará, nas Catedrais e Concatedrais, em 29 de dezembro de 2024. O bispo também sublinhou a concessão da Indulgência Jubilar (para os fiéis falecidos, mas também para os vivos) a partir de orientações da Penitenciária Apostólica. “Nós precisamos deixar isso claro para o nosso povo”, disse. “O que temos que compreender, na perspectiva da fé, é que o Jubileu é um ano de graça. É presente de Deus para o seu povo e que extrapola a Igreja. Passa pela Igreja e é oferecido a toda a humanidade. É tempo de volta para o Senhor. Estamos na alegria e em oração; o que caracteriza a Vida Cristã. O Jubileu é presença de Deus na nossa vida e na vida do povo; não faltando a esperança. Precisamos esperançar a esperança em tempos de tantos ídolos e divisões. Somos depositários dessa esperança”, completou o bispo diocesano de Bragança Paulista, Dom Sérgio Aparecido Colombo. Ainda nessa quarta-feira, 5 de junho, os bispos paulistas viverão a dinâmica sinodal denominada “conversação no Espírito”. A atividade fará mais próximo o Sínodo do episcopado e do Povo de Deus.

TEXTO
André Botelho
Assessoria de Comunicação
Santuário São Judas Tadeu
(Enviado a Itaici para a Assembleia dos Bispos)

Catequese do São Judas realiza Coroação de Nossa Senhora

mai 26, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Encerrando o Mês Mariano, a Catequese do Santuário São Judas Tadeu realizou a Coroação de Nossa Senhora. Em Missa presidida pelo padre Luiz Caputo no domingo, 26 de maio, o gesto foi realizado.

Desde a acolhida nas portas da igreja até a animação do Coral, todas as funções da Celebração foram assumidas por Catequizandos e Catequistas. Também os lenços coloridas, usados para saudar a “Mãe de Deus e nossa” foram confeccionados a partir do envolvimento das famílias.

A Coroação de Nossa Senhora seguiu o roteiro elaborado pela Diocese de São José do Rio Preto, mantendo comunhão com a Igreja Particular disposta no Noroeste Paulista.

#Fotos
Quer saber como foi? Acompanhe os registros no álbum preparado para destacar o encontro. Ele está disponível no Facebook www.facebook.com/redesantuariosaojudas ou no perfil do Santuário no Instagram: @santuariosaojudasrp

#divulgação
André Botelho
Assessoria de Comunicação
Santuário São Judas Tadeu

Comunidade do Santuário e Serviço Social São Judas acolheu o CrismaFest

mai 20, 2024   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

“Oração numa Igreja em saída”. O tema proposto pela Diocese de São José do Rio Preto para o ano em preparação para o Jubileu 2025 igualmente alcançou os adolescentes e jovens que, nas 72 Paróquias do território diocesano, estão na última etapa da formação para o Sacramento do Crisma. No sábado, 18 de maio, véspera de Pentecostes, no Serviço Social São Judas Tadeu, cerca de 1100 Crismandos das oito Foranias dispostas no Noroeste Paulista acompanharam a programação do CrismaFest; que contou com Missa, vivências em grupo e Vigília.
O bispo diocesano, Dom Antonio Emidio Vilar, sdb, presidiu a Eucaristia que marcou a abertura do encontro. Em sua acolhida, o religioso recordou São João Paulo II que dizia que “a Igreja só será jovem quando o jovem for Igreja”. Os Catequistas presentes também foram saudados em seus esforços em prol da transmissão da fé a partir do testemunho.

Salesiano de Dom Bosco, Dom Vilar recordou sua predileção pessoal pelos jovens e as lições oferecidas pelo Padroeiro da Juventude. “Vocês sabiam que nós temos uma Igreja Irmã?”, questionou o bispo, na sequência, ao destacar o intercâmbio com a Diocese de Cruzeiro do Sul. Segundo o ele, a atuação na Região Amazônica é uma oportunidade para que todos, animados pelo Espírito Santo, se coloquem a caminho. Membros da Infância e Adolescência Missionária da Diocese de São José do Rio Preto festejaram a menção ao trabalho que resultará no envio de padres, pelo período de dois anos, para o Acre, a partir de agosto.

Dinâmica sinodal
O assessor da Pastoral Diocesana da Catequese, Pe. Edvaldo Calazans, e a coordenadora do segmento, Ir. Rosângela Fontoura, após a Celebração Eucarística, incentivaram a realização de vivências; uma verdadeira “conversação no Espírito” nos mesmos moldes da dinâmica experimentada na primeira etapa do Sínodo sobre a Sinodalidade. Cada bloco, identificado por cores, contava com três espaços para “rodas de conversa” acerca da Campanha da Fraternidade 2024 sobre a Amizade Social, o Rito do Crisma e a Dimensão Missionária. Ao todo foram formados 36 grupos. Em rodízio, os adolescentes e jovens presentes foram sensibilizados à luz dos 3 temas.

Pastoreio
Acompanhado pelo Coordenador Diocesano de Pastoral, Pe. Luiz Caputo, Dom Vilar visitou todos os grupos e manteve contato com os Crismandos e seus catequistas. A proximidade permitiu que o pastor assumisse o “cheiro das ovelhas” e, com elas, participasse de dinâmica que favoreceu a construção de uma grande árvore cujas folhas foram formadas a partir da digital de cada jovem.

Comunhão
Além de padres da Diocese de São José do Rio Preto, o arcebispo emérito de Aparecida, Cardeal Raymundo Damasceno Assis, também visitou o CrismaFest. Na região para as celebrações pelo Dia Nacional do Congregado Mariano, Dom Raymundo interagiu com seminaristas e tirou fotos com jovens que se mostraram admirados pela presença do religioso que recebeu, no Santuário Nacional, os Papas Bento XVI e Francisco.

 Após a partilha do alimento preparado por voluntários do Santuário São Judas Tadeu, o CrismaFest foi encerrado com Vigília. O momento favoreceu, a partir de músicas e refrões meditativos, a invocação do Espírito Santo que confirmará na fé os adolescentes e jovens da Diocese de São José do Rio Preto ao longo de 2024.

TEXTO
André Botelho
Assessoria de Comunicação
Santuário São Judas Tadeu

Páginas:12»

Facebook

Twitter