Exibindo artigos em "Notícias"

ANGELUS > “Ser aquele que serve”, indicou o Papa Francisco

set 19, 2021   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco na janela do apartamento pontifício para o Angelus

Quer se destacar? Sirva! Nossa fidelidade ao Senhor depende de nossa disposição em servir. O serviço não nos diminui, mas nos faz crescer. E ao servirmos os esquecidos, que não podem nos retribuir, “também nós recebemos o terno abraço de Deus”. O “serviço”, um tema caro ao Papa esteve no centro de sua alocução que precedeu a oração mariana do Angelus neste 25º Domingo do Tempo Comum: “Se quisermos seguir Jesus, devemos percorrer o caminho que ele mesmo traçou, o caminho do serviço.”

Dirigindo-se aos peregrinos e turistas reunidos na Praça São Pedro para o tradicional encontro dominical, Francisco começou explicando a narrativa de Marcos sobre a discussão entre os discípulos sobre quem entre eles era o maior. “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos”, disse Jesus enquanto se dirigiam para Jerusalém. Uma frase “que vale também para nós hoje”, frisou o Papa.

Quer se destacar? Sirva!
E justamente esta frase pronunciada pelo Mestre marca uma inversão nos critérios daquilo que realmente importa: O valor de uma pessoa não depende mais do papel que ela desempenha, do sucesso que tem, do trabalho que faz, do dinheiro no banco; não, não, não, não depende disso; a grandeza e o sucesso, aos olhos de Deus, têm um padrão, uma medida diferente: são medidos no serviço. Não no que se tem, mas no que você dá. Quer se sobressair? Sirva. Este é o caminho.

Quanto mais servimos, mais sentimos a presença de Deus
Hoje em dia a palavra “serviço” – disse o Papa – “parece um pouco desbotada, desgastada pelo uso. Mas no Evangelho tem um significado preciso e concreto. Servir não é uma expressão de cortesia: é fazer como Jesus que, resumindo em poucas palavras a sua vida, disse que veio «não para ser servido, mas para servir». Portanto, se quisermos seguir Jesus, devemos percorrer o caminho que ele mesmo traçou, o caminho do serviço:

Nossa fidelidade ao Senhor depende de nossa disposição em servir. E isso, bem o sabemos, custa, geralmente isso custa, “tem gosto de cruz”. Mas, à medida que aumenta o cuidado e a disponibilidade para com os outros, tornamo-nos mais livres interiormente, mais semelhantes a Jesus. Quanto mais servimos, mais sentimos a presença de Deus, sobretudo quando servimos aqueles que não têm nada para nos restituir, os pobres, abraçando suas dificuldades e necessidades, com a terna compaixão: e ali descobrimos ser, por sua vez, amados e abraçados por Deus.

Em primeiro lugar, servir a quem não pode nos retribuir
Para ilustrar a importância da doação gratuita, Jesus coloca uma criança entre os discípulos, “os gestos de Jesus são mais fortes que as palavras que usa”, observou o Papa. “A criança, no Evangelho – explicou –  não simboliza tanto a inocência mas a pequenez. Porque os pequenos, como as crianças, dependem dos outros, dos grandes, têm necessidade de receber. Jesus abraça aquela criança e diz que quem acolhe um pequenino, uma criança, o acolhe”: Eis antes de tudo a quem servir: aqueles que têm necessidade de receber e não tem como retribuir. Acolhendo quem está à margem, abandonado, acolhemos Jesus, porque Ele está ali. E em um pequeno, em um pobre a quem servimos, também nós recebemos o terno abraço de Deus.

O serviço não nos diminui, nos faz crescer
Interpelados pelo Evangelho, o Papa sugere que nos interroguemos: Eu, que sigo Jesus, me interesso por quem é mais abandonado? Ou, como os discípulos naquele dia, estou em busca de gratificações pessoais? Eu entendo a vida como uma competição para abrir espaço para mim mesmo às custas dos outros ou acho que se sobressair significa servir? E, concretamente: dedico tempo a algum “pequeno”, a uma pessoa que não tem meios para retribuir? Eu cuido de alguém que não pode me retribuir ou apenas de meus parentes e amigos? São perguntas que podemos nos fazer.

Que a Virgem Maria, humilde serva do Senhor, nos ajude a compreender que o serviço não nos diminui, mas nos faz crescer. E que há mais alegria em dar do que em receber.

FONTE
Vatican News

Francisco dirige palavra aos padres idosos

set 18, 2021   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco com idosos

A velhice não é uma doença, mas um privilégio. O Papa Francisco transforma toda a lógica humana que considera o idoso um sujeito, aliás, um objeto a ser descartado. Em uma carta aos sacerdotes idosos e doentes da Região da Lombardia afirma: “Vocês estão vivendo uma época, a velhice, que não é uma doença, mas um privilégio”, o privilégio de “assemelhar-se a Jesus que sofre”. O grupo de sacerdotes estava reunido em Caravaggio, para o Dia da Fraternidade, junto com os bispos da região. A carta do Papa foi-lhes entregue pelo bispo emérito de Mântua, Dom Roberto Busti.

A doença também é um privilégio
Mesmo os que estão doentes, escreve o Papa à mão, “vivem um privilégio” que é o de ser semelhante a Jesus “que sofre e carrega a cruz exatamente como Ele”. Portanto, a comunidade que cuida dos doentes “está firmemente enraizada em Jesus”. Nesta comunidade, os sacerdotes idosos não são apenas “objetos de assistência”, mas “protagonistas ativos”, assegura o Papa, pois são “portadores de sonhos cheios de memória e, portanto, muito importantes para as gerações mais jovens”.

“Rezem por mim, estou um pouco velho e um pouco doente”
“De vocês vem a linfa para florescer na vida cristã e no ministério”, diz o Papa nas últimas linhas de sua carta. Ele conclui com o habitual pedido de oração para si mesmo, acompanhado de uma ironia referente à sua saúde após a operação no cólon em julho passado: “Peço-lhe, por favor, que rezem por mim que sou um pouco velho e um pouco doente, mas não muito!”.

Oração pelos sacerdotes mortos de Covid
O Dia da Fraternidade, informa a Igreja de Milão, foi realizado por ocasião do habitual encontro da Conferência Episcopal Lombarda. O encontro foi iniciado com uma procissão dos sacerdotes   presentes seguido por uma missa no Santuário de Santa Maria del Fonte, presidida pelo Arcebispo de Milão, Dom Mario Delpini, e outros bispos da Lombardia. Sob indicação de Dom Delpini, foram feitas orações em memória dos sacerdotes da Lombardia vítimas da pandemia da Covid-19. Dos quase 300 sacerdotes que morreram na Itália, 92 eram da Região da Lombardia.

FONTE
Vatican News

Facebook

Twitter