Exibindo artigos em "Notícias"

NATAL: Papa Francisco doa ambulatório para Moradores em Situação de Rua

dez 22, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

1545473678923-Foto6.jpeg

Cidade do Vaticano - A Esmolaria Apostólica abre um novo ambulatório médico sob o Colonato de Bernini da Praça São Pedro. “Ambulatório – Mãe de Misericórdia” é mais um dom do Papa Francisco aos moradores de rua, que já sob o Colonato recebiam uma primeira assistência médica junto a outros serviços, como duchas e barbearia. Os trabalhos, concluídos nesses dias, foram projetados, guiados e realizados pelo Governatorato da Cidade do Vaticano, em coordenação com a Direção dos Serviços de Higiene e Saúde do Vaticano: três salas para consultas médicas, um escritório, dois banheiros e uma sala de acolhimento foram inseridos onde antes funcionavam os Correios Vaticanos.

Peregrinos
O ambulatório será aberto para acolher as pessoas necessitadas três dias por semana: segunda, quinta e sábado. No restante dos dias, o local ficará à disposição para um primeiro pronto-socorro dos peregrinos durante as audiências ou os encontros do Papa na Praça São Pedro e na Basílica. A nova estrutura vai substituir o ambulatório de São Martinho, que foi aberto em fevereiro de 2016.

FONTE
Vatican News

O Papa Francisco almoçará com os pobres por ocasião do Natal

dez 14, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco no almoço com os pobres

Cidade do Vaticano - A Esmolaria Apostólica, em nome do Papa Francisco, convidou um grupo de pobres para um almoço de Natal, a ser realizado na próxima terça-feira, 18 de dezembro, oferecido pelos atletas do Grupo Esportivo “Fiamme Gialle”, (uma estrutura da Polícia Fiscal italiana).

Os atletas irão cozinhar
Os pobres são assistidos pela Cáritas da Diocese de Roma. Na ocasião os próprios atletas irão cozinhar e servir as mesas dos hóspedes. Com o objetivo de compartilhar com todos um dia de festa, marcado pela diversão que o esporte pode oferecer em um clima de família, também com presentes simbólicos.

A iniciativa foi promovida pela Athletica Vaticana, a representação atlética da Santa Sé, com a intenção de relançar o apelo do Papa Francisco de viver o Natal priorizando a solidariedade e a atenção concreta às pessoas mais necessitadas. E é um testemunho de caridade e fraternidade através da linguagem do esporte que, por sua natureza, prevê a inclusão e o respeito da dignidade dos mais necessitados.

FONTE
Vatican News

ANGELUS | “Para preparar o caminho para o Senhor que vem, é necessário levar em conta as exigências da conversão a que o Batista nos convida”, disse o Papa

dez 9, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa - Angelus

Cidade do Vaticano - Neste segundo Domingo do Advento o Papa Francisco rezou ao meio-dia a oração mariana do Angelus com os fiéis e peregrinos de todas as partes do mundo reunidos na grande Praça São Pedro, embelezada pelos símbolos do Natal: o presépio e a árvore de Natal. Depois de recordar que no último domingo a liturgia nos convidava a viver o tempo do Advento e da espera do Senhor com a atitude de vigilância, neste segundo domingo do Advento, disse o Papa, nos vem indicado como dar substância a essa espera: empreendendo um caminho de conversão.

Como guia para este caminho, – continuou Francisco – o Evangelho nos apresenta a figura de João Batista, que “percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados“. Para descrever a missão do Batista, o evangelista Lucas recolhe a antiga profecia de Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas”.

“Para preparar o caminho para o Senhor que vem, é necessário levar em conta as exigências da conversão a que o Batista nos convida. Antes de mais nada, somos chamados a recuperar os buracos produzidos pela frieza e pela indiferença, abrindo-nos aos outros com os mesmos sentimentos de Jesus, isto é, com a cordialidade e a atenção fraternas que se responsabiliza pelas necessidades do nosso próximo, isto é recuperar os buracos produzidos pela frieza. E não se pode ter uma relação de amor, de caridade, de fraternidade com o próximo se há buracos, como não se pode caminhar por um estrada com muitos buracos. E tudo isso fazer com um cuidado especial para com os mais necessitados”

Então,  – prosseguiu Francisco – precisamos reduzir tantas severidades causadas pelo orgulho e  pela soberba, fazendo gestos concretos de reconciliação com os nossos irmãos, pedindo perdão pelas nossas faltas. Não é fácil reconciliar-se, acrescentou o Papa, se se pensa, quem irá dar o primeiro passo? O Senhor nos ajuda nisto se temos boa vontade. “A conversão, na verdade, é completa se leva a reconhecer humildemente os nossos erros, as nossas infidelidades e omissões”.

O fiel, sublinhou o Papa na sua alocução antes de rezar o Angelus -, é aquele que, estando próximo de seu irmão, como João Batista abre estradas no deserto, ou seja, indica perspectivas de esperança mesmo naqueles contextos existenciais impenetráveis, marcados pelo fracasso e pela derrota. “Não podemos nos render a situações negativas de fechamento e rejeição; não devemos nos deixar sujeitar à mentalidade do mundo, porque o centro da nossa vida é Jesus e a sua palavra de luz, de amor, de consolação”.

O Batista convidava as pessoas de seu tempo à conversão com força, vigor e severidade. No entanto, ele sabia ouvir, sabia como realizar gestos de ternura e de perdão para com as multidões de homens e mulheres que iam até ele para confessar seus pecados e serem batizados com o batismo de penitência. Seu testemunho de vida, – acrescentou o Papa – a pureza de seu anúncio, a sua coragem em proclamar a verdade conseguiram despertar as expectativas e esperanças do Messias que há muito tempo estavam adormecidas. Ainda hoje, os discípulos de Jesus são chamados a ser suas humildes mas corajosas testemunhas para reacender a esperança, para fazer entender que, apesar de tudo, o reino de Deus continua a ser construído dia a dia com o poder do Espírito Santo. Pensemos, cada um de nós – disse Francisco –, “como eu posso mudar algo no meu comportamento para preparar o caminho do Senhor? Que a Virgem Maria – concluiu o Santo Padre -, nos ajude a preparar dia após dia o caminho do Senhor, começando por nós mesmos; e a espalhar em torno a nós, com tenaz paciência, sementes de paz, de justiça e de fraternidade.

FONTE 
Vatican News
Silvonei José

RETIRO DO ADVENTO | “Deus existe e basta”, destacou Frei

dez 7, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Pregação de Advento

Cidade do Vaticano – Em sua primeira meditação, neste tempo litúrgico de Advento, em preparação ao Santo Natal, o Pregador da Casa Pontifícia refletiu sobre o tema “Deus existe”! Devido às nossas inúmeras tarefas e compromissos, problemas a serem resolvidos e desafios a serem superados, disse o Capuchinho, corremos o risco de perder de vista a nossa relação pessoal com Deus e com Cristo.

Experiência com Deus
No entanto, sabemos, por experiência, que um relacionamento pessoal genuíno com Deus é a primeira condição para enfrentarmos as situações e problemáticas do nosso dia a dia, sem perder a paz e a paciência. Por isso, o tema das homilias de Advento do Pregador é extraído do Salmo: “Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo“! Os homens do nosso tempo buscam, sem cessar, sinais da existência de seres vivos e inteligentes em outros planetas. É uma busca legítima e compreensível. Entretanto, poucos buscam os sinais daquele Ser que criou o Universo, que entrou na história e vive nela.

Quantas vezes somos obrigados a dizer a Deus, como Santo Agostinho: “Estavas comigo, mas eu não estava contigo“. Deus nos busca e vai ao nosso encontro desde a criação do mundo e continua a perguntar: “Adão, onde você está?” Hoje, devemos apoiar-nos na palavra de Jesus “Buscai e achareis. Batei e vos será aberto“. Ele promete dar a si mesmo, para além das coisas fúteis que lhe pedimos, e mantém a sua promessa.

Retornar às coisas!
A Bíblia apresenta inúmeras passagens que falam de Deus vivo e nós, por nossa parte, sentimos a necessidade de um retorno à nossa “realidade” de fé em Deus. Talvez, até agora, não entendemos o profundo significado da verdadeira existência de Deus em nossa vida, como aconteceu com tantos pensadores e filósofos. A expressão que melhor explica este significado é “dar-nos conta” ou abrir os olhos sobre a existência de Deus na nossa história.

A presença de Deus
Deus revelou seu nome: “Eu sou aquele que sou”! “Eu sou o Deus vivo“! Mas, então, qual o significado real de Deus vivo? O Pregador da Casa Pontifícia tentou responder a esta pergunta traçando um perfil do Deus vivo, a partir da Bíblia, mas percebeu que isso seria uma loucura: descrever Deus vivo, delinear seu perfil, até mesmo através da Bíblia, seria muito redutivo.

O que podemos fazer, em relação ao Deus vivo, explicou Frei Cantalamessa, é ir além dos sinais que os homens traçaram sobre Ele. E citando Santo Agostinho, disse que devemos acreditar em um Deus que vai além daquele que acreditamos! Deus é a minha rocha, a nossa rocha, a “rocha da nossa salvação“. Os primeiros Setenta tradutores da Bíblia, diante de uma imagem tão material de Deus, que parecia rebaixá-lo, substituíram o termo “rocha” como força, refúgio, salvação. Rocha não se refere apenas a Deus, mas também ao que devemos ser. Se Deus é rocha, o homem é um “alpinista”. O Pregador da Casa Pontifícia concluiu sua primeira meditação afirmando: “Deus existe e basta!” Aprendamos, também nós, a repetir estas simples palavras em nossa vida!

FONTE
Vatican News
Tradução Thácio Siqueira 

Papa Francisco recebe crianças doentes: vocês são importantes!

nov 30, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco com as crianças polonesas da Clínica de Oncologia de Wrocław

Cidade do Vaticano - O Papa Francisco encontrou-se, na manhã desta sexta-feira (30/11), na Sala Clementina, no Vaticano, com um grupo de sessenta e duas crianças da Clínica de Oncologia de Wrocław, na Polônia. “O seu caminho na vida é difícil, queridas crianças, porque vocês têm de se tratar, vencer a doença ou conviver com ela. Isso não é fácil”, disse o Pontífice às crianças que sofrem de câncer. “Porém, vocês possuem muitos amigos, muitos amigos que ajudam vocês. Os seus familiares também ajudam vocês a seguirem em frente. Pensem bem nisso: não há dificuldade na vida que não possa ser vencida. A vitória é diferente para cada pessoa. Cada um vence à sua maneira. O ideal é vencer sempre. É o horizonte para seguir adiante. Não se desanimem.

O Papa sublinhou que “o Senhor deu um anjo da guarda a cada um de nós, de quando éramos pequenos até nos tornamos idosos. O Senhor deu a cada um de nós um anjo para que nos ajude na vida. Cada um de vocês tem o seu. Conversem com o seu anjo da guarda, para que os proteja, os inspire e os leve a vencer sempre na vida”. Francisco agradeceu as pessoas que acompanham, cuidam e ajudam  essas crianças. Brincando com elas, o Papa disse: “Vocês viram que são muito importantes, pois para ouvir e falar com o Papa vocês precisam de dois intérpretes. Vocês são importantes!

No final do encontro, Francisco abençoou as crianças. Antes, porém, rezou com elas uma Ave-Maria em polonês.

FONTE
Vatican News

ANGELUS: “Deus é amor” e quer estabelecer no mundo o seu reino de amor, de justiça e de paz”, disse o Papa

nov 25, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco acena para a multidão reunida na Praça São Pedro da janela do apartamento pontifício

Cidade do Vaticano - O reino de Jesus não é deste mundo, é um reino de amor que não é alcançado por meios humanos. Seu pedido hoje, é deixarmos que Ele se torne nosso rei. Mas Jesus somente poderá dar um novo sentido à nossa vida, com a condição de que não sigamos as lógicas do mundo e de seus “reis”.

Senhor da história e de toda a criação
O Papa Francisco começou explicando aos fiéis e turistas presentes na Para São Pedro em um dia chuvoso, que a Solenidade de Jesus Cristo Rei do universo celebrada neste domingo,  “é colocada no final do ano litúrgico e recorda que a vida da criação não avança por acaso, mas prossegue em direção a uma meta final: a manifestação definitiva de Cristo, Senhor da história e de toda a criação. A conclusão da história será o seu reino eterno”. A alocução do Santo Padre é inspirada na passagem do Evangelho de São João (Jo 18, 33b-37)  proposto pela liturgia do dia, que relata “a situação humilhante em que Jesus encontrou-se depois de ter sido preso no Getsêmani: amarrado, insultado, acusado e levado perante as autoridades de Jerusalém”.

É apresentado à autoridade romana como alguém que atenta contra o poder político para se tornar rei dos judeu. Em um “interrogatório dramático”, por duas vezes Pilatos o questiona se é um rei. “Tu o dizes: eu sou rei“, reponde. Jesus não tinha ambições políticas, observa o Papa, recordando que após o milagre da multiplicação dos pães o povo queria proclamá-lo rei “para derrubar o poder romano e restaurar o reino de Israel”, mas “Ele retira-se para a montanha para rezar“.

Poder do amor
O reino pra Jesus – explica Francisco – “é outra coisa, e não se realiza, certamente, com a revolta, a violência e a força das armas”. Como disse a Pilatos, “se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus”: Jesus quer deixar claro que acima do poder político existe outro muito maior, que não é alcançado por meios humanos. Ele veio à Terra para exercer esse poder, que é amor, dando testemunho da verdade a verdade. Trata-se da verdade divina que, em última análise, é a mensagem essencial do Evangelho: “Deus é amor” e quer estabelecer no mundo o seu reino de amor, de justiça e de paz”. E este – reitera o Pontífice – “é o reino do qual Jesus é o rei, e que se estende até o fim dos tempos”. Como a história nos ensina – recordou o Papa – “os reinos fundados no poder das armas e na prevaricação são frágeis e, mais cedo ou mais tarde, caem”.

Deixar Jesus ser nosso rei 
Jesus hoje nos pede para deixar que Ele se torne nosso rei: “Um rei que com sua palavra, seu exemplo e sua vida imolada na cruz nos salvou da morte, indica o caminho para o homem perdido, dá nova luz à nossa existência marcada pela dúvida, pelo medo e pelas provações do dia-a-dia”. Mas não devemos esquecer – disse Francisco – que o reino de Jesus não é deste mundo: “Ele poderá dar um novo sentido à nossa vida – às vezes colocada  à dura prova também por nossos erros e pecados – somente com a condição de que nós não sigamos as lógicas do mundo e de seus ‘reis’”. Que a Virgem Maria nos ajude a acolher Jesus como o rei da nossa vida e a difundir o seu reino, dando testemunho da verdade que é amor, concluiu o Papa Francisco.

FONTE 
Jackson Erpen
Vatican News

Instituída Comissão preparatória para o encontro sobre proteção de menores

nov 23, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

O encontro “A proteção dos menores na Igreja” será realizado de 21 a 24 de fevereiro

Cidade do Vaticano - De 21 a 24 de fevereiro de 2019, será realizado no Vaticano o encontro “A proteção dos menores na Igreja”. A este propósito, a Sala de Imprensa da Santa Sé informou no final da manhã desta sexta-feira que o Santo Padre indicou como membros do Comitê de organização do encontro o cardeal Blase J. Cupich, arcebispo de Chicago (EUA), o cardeal Oswald Gracias, arcebispo de Bombaim (Índia) e presidente da Conferência Episcopal da Índia, Dom Charles Scicluna, arcebispo de Malta e secretário-adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé, o reverendo padre Hans Zollner, SJ, presidente do Centro para a proteção de Menores da Pontifícia Universidade Gregoriana e membro da Pontifícia Comissão para a Tutela de Menores, nomeando-o como referente do próprio Comitê.

Na reunião, que contará com a participação de Sua Santidade, participarão os líderes das Igrejas Católicas Orientais, os superiores da Secretaria de Estado, os prefeitos das Congregações para a Doutrina da Fé, para as Igrejas Orientais, para os Bispos, para a Evangelização dos Povos, para o Clero, para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica e do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, os presidentes das Conferências Episcopais e os representantes da União dos Superiores Gerais e da União Internacional das Superioras Gerais .

Nos trabalhos de preparação estarão envolvidas, entre outros, a Dra Gabriella Gambino, sub-secretária para a Seção Vida, e a Dra. Linda Ghisoni, sub-secretária da Seção Fiéis Leigos do Dicastério para os Leigos e Família e a Vida, além da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores e algumas vítimas de abusos cometidos pelo clero.

Proteção dos menores, prioridade fundamental
O encontro de fevereiro é sem precedentes, o que mostra que o Papa Francisco fez da proteção de menores uma prioridade fundamental para a Igreja”, declarou o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé. “Trata-se – explicou Greg Burke – de manter as crianças seguras contra prejuízo em todo o mundo. O Papa Francisco quer que os líderes da Igreja tenham uma compreensão completa do impacto devastador que o abuso sexual clerical tem sobre as vítimas. O encontro é primariamente para os bispos – e eles têm muito de responsabilidade por esse grave problema. Mas homens e mulheres leigos que são especialistas no campo dos abusos darão sua contribuição, e podem ajudar a abordar especialmente o que precisa ser feito para garantir transparência e responsabilidade“.

FONTE
Vatican News

DIA MUNDIAL DOS POBRES: “Levaremos conosco somente o que doamos, o que oferecemos”, disse o Papa

nov 18, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco no Angelus deste domingo

Cidade do Vaticano – O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, deste domingo (18⁄11), II Dia Mundial dos Pobres, com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice frisou que no Evangelho deste domingo, Jesus “quer instruir os seus discípulos sobre os eventos futuros. Não está em primeiro lugar um discurso sobre o fim do mundo, mas o convite a viver bem o presente, a vigiar e estar sempre prontos para quando seremos chamados a prestar contas de nossa vida. Jesus diz: Nesses dias, depois da tribulação, o sol vai ficar escuro, a lua não brilhará mais, as estrelas começarão a cair do céu.

Rosto radiante de amor
Essas palavras nos fazem pensar no início do Livro do Gênesis que fala da criação: o sol, a lua e as estrelas que desde o início dos tempos brilham em sua ordem e iluminam, sinal de vida, aqui são descritos em sua decadência, enquanto mergulham na escuridão e no caos, sinal do fim. “Ao invés, a luz que naquele último dia resplandecerá será única e nova: será a luz do Senhor Jesus que virá na glória com todos os santos. Naquele encontro veremos, finalmente, o seu Rosto na luz plena da Trindade; um rosto radiante de amor, diante do qual todo ser humano aparecerá em total verdade”, disse o Papa. Francisco sublinhou que “a história da humanidade, assim como a história pessoal de cada um de nós, não pode ser entendida como uma simples sucessão de palavras e fatos que não fazem sentido”.

Encontro definitivo com o Senhor
Não pode ser também interpretada à luz de uma visão fatalista, como se tudo já estivesse pré-estabelecido segundo um destino que subtrai todo espaço de liberdade, impedindo fazer escolhas que sejam o fruto de uma decisão verdadeira.” No Evangelho de hoje, Jesus diz que a história dos povos e a de cada um têm um fim e uma meta a ser alcançada: o encontro definitivo com o Senhor. “Não sabemos a hora e nem como acontecerá. O Senhor reiterou que «ninguém sabe nada, nem os anjos no céu, nem o Filho». Tudo é mantido no segredo do mistério do Pai. Sabemos, todavia, um princípio fundamental com o qual devemos nos confrontar: «Passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão».

Segundo o Papa, “o verdadeiro ponto crucial é esse. Naquele dia, cada um de nós entenderá se a Palavra do Filho de Deus iluminou a própria existência pessoal, ou se virou as costas para ela, preferindo confiar nas próprias palavras. Será mais do que nunca o momento de nos abandonarmos definitivamente ao amor do Pai e confiar-nos à sua  misericórdia”. O Papa destacou que “ninguém escapa desse momento, nenhum de nós escapa desse  momento”.

Levaremos somente o que doamos
A esperteza, que muitas vezes colocamos em nossos comportamentos para dar crédito à imagem que queremos oferecer, não será mais necessária. Da mesma forma, o poder do dinheiro e dos meios econômicos com os quais pretendemos com presunção comprar tudo e todos, não poderá ser mais ser usado. Não teremos conosco nada além do que realizamos nessa vida, acreditando em sua Palavra: tudo e nada do que vivemos ou deixamos de realizar. Levaremos conosco somente o que doamos, o que oferecemos.

Francisco convidou a invocar a intercessão da Virgem Maria a fim de que a constatação do nosso tempo provisório na terra e de nossa limitação não nos afunde na angústia, mas nos chame à responsabilidade para comigo, o próximo e  o mundo inteiro.

FONTE
Vatican News

Papa visita Posto de Saúde Solidário na Praça São Pedro

nov 17, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

pope-francis-visits-health-facility-initiativ-1542389299849.jpg

Cidade do Vaticano - No final da tarde desta sexta-feira (16), o Papa Francisco surpreendeu pacientes, voluntários e médicos do Posto de Saúde Solidário instalado na Praça São Pedro desde o início da semana. A visita inesperada era para encontrar os pobres e os mais necessitados, já que a assistência temporária foi inaugurada por ocasião do Dia Mundial dos Pobres que será celebrado no domingo (18). O Pontífice abençoou todos presentes no local e também as instalações, além de conversar e se mostrar disponível para selfies. “Um gesto de grande solidariedade e caridade cristã que o Papa quis dar como testemunho.”

O gesto de caridade cristã do Papa
O Santo Padre chegou acompanhado pelo arcebispo Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização: “é uma daquelas surpresas que faz o Papa Francisco. Uma visita em que ele se viu acolhido imediatamente por muitos pobres, com várias dificuldades, que chegaram bem próximos a ele”. Dom Fisichella contou ainda que “o Papa saudou todos, um por um. Escutou eles, saudou os voluntários e as voluntárias, e acredito que seja mais uma vez um gesto de grande solidariedade e caridade cristã que o Papa quis dar como testemunho”. A visita do Papa Francisco também faz parte da iniciativa “Sextas-feiras da Misericórdia”, iniciada pelo Pontífice no Jubileu da Misericórdia.

Atendimento diário aos pobres 
O Posto de Saúde tem o objetivo de “oferecer tratamento por uma semana àqueles que estão em dificuldade. Faço votos de que este dia promova uma crescente atenção às necessidades dos últimos, dos marginalizados e dos famintos”, disse o Pontífice durante a oração do Angelus do último domingo (11), ao falar da iniciativa. Oitos ambulatórios estão abertos desde a segunda-feira (12) e sempre por 14 horas no dia. A estrutura, de assistência temporária, atende os pobres e mais necessitados com consultas médicas e de laboratoriais gratuitas.

FONTE 
Andressa Collet
Vatican News

AUDIÊNCIA GERAL: “Eu sou uma testemunha da verdade ou sou um mentiroso fantasiado de verdadeiro?”

nov 14, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

2018-11-14-udienza-generale-1542185312657.JPG

Cidade do Vaticano -Não levantarás falso testemunho contra teu próximo”: a catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira (14/11) foi dedicada ao oitavo mandamento. Aos milhares de fiéis e peregrinos na Praça São Pedro, o Pontífice explicou o significado profundo da verdade. Este mandamento ensina que não podemos falsificar a verdade nas nossas relações com os outros.

Frágil equilíbrio entre a verdade e a mentira
Viver de comunicações não autênticas é grave, porque impede as relações e, portanto, o amor. Onde há mentira, não pode haver amor. E quando falamos de comunicação entre as pessoas não entendemos somente as palavras, mas também os gestos, as atitudes e até mesmo os silêncios e as ausências. Uma pessoa fala com tudo aquilo que é e o que faz. Todos nós vivemos comunicando e estamos continuamente num frágil equilíbrio entre a verdade e a mentira.”

Que significa dizer a verdade?, perguntou Francisco. É algo que vai além do nosso ponto de vista ou a revelação de fatos pessoais ou reservados. É um modo de manifestar o amor. “As fofocas matam”, recordou o Papa. “É o que disse o apóstolo Tiago na sua carta. Os fofoqueiros são pessoas que matam os outros porque a língua mata como uma faca. Fiquem atentos. O fofoqueiro é um terrorista, porque com a sua língua lança a bomba e vai embora e esta bomba destrói a fama dos outros. Fofocar é matar, não esqueçam.”

Testemunhar a verdade
Francisco prosseguiu explicando que as palavras “Não levantarás falso testemunho contra teu próximo” pertencem à linguagem jurídica. Os Evangelhos culminam com a narração do processo, da execução da sentença contra Jesus e sua consequência inaudita. Jesus, quando interrogado por Pilatos, disse que veio a este mundo para dar testemunho da verdade. A verdade, portanto, encontra sua plena realização na própria pessoa de Jesus, no seu modo de viver e de morrer, fruto da sua relação com o Pai. E esta existência como filho de Deus Jesus a doa também a nós. Em cada ato, o homem afirma ou nega esta verdade. “Eu sou uma testemunha da verdade ou sou um mentiroso fantasiado de verdadeiro? Cada um se questione”, recomendou o Papa.

Amor sem limites
A verdade não se limita a discursos, mas é um modo de existir, de viver. A verdade é a revelação maravilhosa de Deus, do seu rosto de Pai, do seu amor sem limites. Esta verdade corresponde à razão humana, mas a supera infinitamente. Francisco então concluiu: “Não levantar falso testemunho quer dizer viver como filhos de Deus, que jamais desmente a si mesmo, jamais mente, deixando emergir em cada ato a grande verdade: que Deus é Pai e é possível confiar Nele. Eu confio em Deus, esta é a grande verdade. E dessa nossa confiança em Deus Pai, de que Ele nos ama, nasce a minha verdade e o ser verdadeiro e não mentiroso.

FONTE
Vatican News

Páginas:«12345678...145»

Facebook

Twitter