Exibindo artigos em "Notícias"

DIA MUNDIAL DOS POBRES: “Levaremos conosco somente o que doamos, o que oferecemos”, disse o Papa

nov 18, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco no Angelus deste domingo

Cidade do Vaticano – O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, deste domingo (18⁄11), II Dia Mundial dos Pobres, com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice frisou que no Evangelho deste domingo, Jesus “quer instruir os seus discípulos sobre os eventos futuros. Não está em primeiro lugar um discurso sobre o fim do mundo, mas o convite a viver bem o presente, a vigiar e estar sempre prontos para quando seremos chamados a prestar contas de nossa vida. Jesus diz: Nesses dias, depois da tribulação, o sol vai ficar escuro, a lua não brilhará mais, as estrelas começarão a cair do céu.

Rosto radiante de amor
Essas palavras nos fazem pensar no início do Livro do Gênesis que fala da criação: o sol, a lua e as estrelas que desde o início dos tempos brilham em sua ordem e iluminam, sinal de vida, aqui são descritos em sua decadência, enquanto mergulham na escuridão e no caos, sinal do fim. “Ao invés, a luz que naquele último dia resplandecerá será única e nova: será a luz do Senhor Jesus que virá na glória com todos os santos. Naquele encontro veremos, finalmente, o seu Rosto na luz plena da Trindade; um rosto radiante de amor, diante do qual todo ser humano aparecerá em total verdade”, disse o Papa. Francisco sublinhou que “a história da humanidade, assim como a história pessoal de cada um de nós, não pode ser entendida como uma simples sucessão de palavras e fatos que não fazem sentido”.

Encontro definitivo com o Senhor
Não pode ser também interpretada à luz de uma visão fatalista, como se tudo já estivesse pré-estabelecido segundo um destino que subtrai todo espaço de liberdade, impedindo fazer escolhas que sejam o fruto de uma decisão verdadeira.” No Evangelho de hoje, Jesus diz que a história dos povos e a de cada um têm um fim e uma meta a ser alcançada: o encontro definitivo com o Senhor. “Não sabemos a hora e nem como acontecerá. O Senhor reiterou que «ninguém sabe nada, nem os anjos no céu, nem o Filho». Tudo é mantido no segredo do mistério do Pai. Sabemos, todavia, um princípio fundamental com o qual devemos nos confrontar: «Passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão».

Segundo o Papa, “o verdadeiro ponto crucial é esse. Naquele dia, cada um de nós entenderá se a Palavra do Filho de Deus iluminou a própria existência pessoal, ou se virou as costas para ela, preferindo confiar nas próprias palavras. Será mais do que nunca o momento de nos abandonarmos definitivamente ao amor do Pai e confiar-nos à sua  misericórdia”. O Papa destacou que “ninguém escapa desse momento, nenhum de nós escapa desse  momento”.

Levaremos somente o que doamos
A esperteza, que muitas vezes colocamos em nossos comportamentos para dar crédito à imagem que queremos oferecer, não será mais necessária. Da mesma forma, o poder do dinheiro e dos meios econômicos com os quais pretendemos com presunção comprar tudo e todos, não poderá ser mais ser usado. Não teremos conosco nada além do que realizamos nessa vida, acreditando em sua Palavra: tudo e nada do que vivemos ou deixamos de realizar. Levaremos conosco somente o que doamos, o que oferecemos.

Francisco convidou a invocar a intercessão da Virgem Maria a fim de que a constatação do nosso tempo provisório na terra e de nossa limitação não nos afunde na angústia, mas nos chame à responsabilidade para comigo, o próximo e  o mundo inteiro.

FONTE
Vatican News

Papa visita Posto de Saúde Solidário na Praça São Pedro

nov 17, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

pope-francis-visits-health-facility-initiativ-1542389299849.jpg

Cidade do Vaticano - No final da tarde desta sexta-feira (16), o Papa Francisco surpreendeu pacientes, voluntários e médicos do Posto de Saúde Solidário instalado na Praça São Pedro desde o início da semana. A visita inesperada era para encontrar os pobres e os mais necessitados, já que a assistência temporária foi inaugurada por ocasião do Dia Mundial dos Pobres que será celebrado no domingo (18). O Pontífice abençoou todos presentes no local e também as instalações, além de conversar e se mostrar disponível para selfies. “Um gesto de grande solidariedade e caridade cristã que o Papa quis dar como testemunho.”

O gesto de caridade cristã do Papa
O Santo Padre chegou acompanhado pelo arcebispo Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização: “é uma daquelas surpresas que faz o Papa Francisco. Uma visita em que ele se viu acolhido imediatamente por muitos pobres, com várias dificuldades, que chegaram bem próximos a ele”. Dom Fisichella contou ainda que “o Papa saudou todos, um por um. Escutou eles, saudou os voluntários e as voluntárias, e acredito que seja mais uma vez um gesto de grande solidariedade e caridade cristã que o Papa quis dar como testemunho”. A visita do Papa Francisco também faz parte da iniciativa “Sextas-feiras da Misericórdia”, iniciada pelo Pontífice no Jubileu da Misericórdia.

Atendimento diário aos pobres 
O Posto de Saúde tem o objetivo de “oferecer tratamento por uma semana àqueles que estão em dificuldade. Faço votos de que este dia promova uma crescente atenção às necessidades dos últimos, dos marginalizados e dos famintos”, disse o Pontífice durante a oração do Angelus do último domingo (11), ao falar da iniciativa. Oitos ambulatórios estão abertos desde a segunda-feira (12) e sempre por 14 horas no dia. A estrutura, de assistência temporária, atende os pobres e mais necessitados com consultas médicas e de laboratoriais gratuitas.

FONTE 
Andressa Collet
Vatican News

AUDIÊNCIA GERAL: “Eu sou uma testemunha da verdade ou sou um mentiroso fantasiado de verdadeiro?”

nov 14, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

2018-11-14-udienza-generale-1542185312657.JPG

Cidade do Vaticano -Não levantarás falso testemunho contra teu próximo”: a catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira (14/11) foi dedicada ao oitavo mandamento. Aos milhares de fiéis e peregrinos na Praça São Pedro, o Pontífice explicou o significado profundo da verdade. Este mandamento ensina que não podemos falsificar a verdade nas nossas relações com os outros.

Frágil equilíbrio entre a verdade e a mentira
Viver de comunicações não autênticas é grave, porque impede as relações e, portanto, o amor. Onde há mentira, não pode haver amor. E quando falamos de comunicação entre as pessoas não entendemos somente as palavras, mas também os gestos, as atitudes e até mesmo os silêncios e as ausências. Uma pessoa fala com tudo aquilo que é e o que faz. Todos nós vivemos comunicando e estamos continuamente num frágil equilíbrio entre a verdade e a mentira.”

Que significa dizer a verdade?, perguntou Francisco. É algo que vai além do nosso ponto de vista ou a revelação de fatos pessoais ou reservados. É um modo de manifestar o amor. “As fofocas matam”, recordou o Papa. “É o que disse o apóstolo Tiago na sua carta. Os fofoqueiros são pessoas que matam os outros porque a língua mata como uma faca. Fiquem atentos. O fofoqueiro é um terrorista, porque com a sua língua lança a bomba e vai embora e esta bomba destrói a fama dos outros. Fofocar é matar, não esqueçam.”

Testemunhar a verdade
Francisco prosseguiu explicando que as palavras “Não levantarás falso testemunho contra teu próximo” pertencem à linguagem jurídica. Os Evangelhos culminam com a narração do processo, da execução da sentença contra Jesus e sua consequência inaudita. Jesus, quando interrogado por Pilatos, disse que veio a este mundo para dar testemunho da verdade. A verdade, portanto, encontra sua plena realização na própria pessoa de Jesus, no seu modo de viver e de morrer, fruto da sua relação com o Pai. E esta existência como filho de Deus Jesus a doa também a nós. Em cada ato, o homem afirma ou nega esta verdade. “Eu sou uma testemunha da verdade ou sou um mentiroso fantasiado de verdadeiro? Cada um se questione”, recomendou o Papa.

Amor sem limites
A verdade não se limita a discursos, mas é um modo de existir, de viver. A verdade é a revelação maravilhosa de Deus, do seu rosto de Pai, do seu amor sem limites. Esta verdade corresponde à razão humana, mas a supera infinitamente. Francisco então concluiu: “Não levantar falso testemunho quer dizer viver como filhos de Deus, que jamais desmente a si mesmo, jamais mente, deixando emergir em cada ato a grande verdade: que Deus é Pai e é possível confiar Nele. Eu confio em Deus, esta é a grande verdade. E dessa nossa confiança em Deus Pai, de que Ele nos ama, nasce a minha verdade e o ser verdadeiro e não mentiroso.

FONTE
Vatican News

Papa oferecerá almoço a 3 mil necessitados

nov 13, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Almoço com pessoas pobres na Sala Paulo VI em 2017

Cidade do Vaticano - No próximo domingo, 18 de novembro, será celebrado o II Dia Mundial dos Pobres, nascido no final do Jubileu da Misericórdia, por vontade do Papa Francisco. Uma iniciativa, como recordado pelo Santo Padre no Angelus de domingo, de “evangelização, oração e partilha“, que “promove maior atenção às necessidades dos últimos, dos marginalizados, dos famintos“.

Nesta ocasião, o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, que é responsável pela organização e promoção do evento nas dioceses em todo o mundo, tem coordenado algumas iniciativas para transmitir a preocupação da Igreja, sobretudo em relação àqueles que vivem à margem. Entre essas iniciativas, o almoço do Papa Francisco com pessoas pobres, após a celebração da Santa Missa presidida pelo Papa na Basílica Vaticana, às 10 horas do domingo, com a participação de cerca de 6.000 pobres, juntamente com voluntários que os acompanham, além de representantes de várias entidades que se preocupam dessas pessoas necessitadas. A celebração será transmitida pelo Vatican News a partir das 9h55, horário italiano (6h55, horário de Brasília).

O almoço do Papa com os pobres
O Santo Padre Francisco convidou cerca de 3.000 pobres para participarem do almoço organizado na Sala Paulo VI, que se transformará em um grande refeitório. A refeição a ser servida será oferecida pela Rome Cavalieri – Hilton Itália, em colaboração com a organização sem fins lucrativos Tabor. O Papa se sentará à mesa com os pobres, compartilhando com eles um momento informal, na maior simplicidade. Este momento de convívio terá lugar simultaneamente nos refeitórios de muitas paróquias, universidades, realidades assistenciais e associações de voluntariado que aderiram à iniciativa, como a Caritas, a Comunidade de Santo Egídio, Legionários de Cristo, Círculo de São Pedro, Colégio Leoniano, Convitto Lateranense Beato Pio IX, Universidade Europeia de Roma, Regina Apostolorum, Instituto Villa Flaminia e a ACLI de Roma.

Posto de Saúde Solidário
Também neste ano, está sendo repetida a experiência do Posto de saúde Solidário, iniciativa que quer oferecer atendimento gratuito a todos os necessitados, que normalmente teriam muitas dificuldades para acessá-lo. Este ano, o Posto de Saúde Solidário foi instalado no lado esquerdo da Piazza São Pedro,  adjacente ao Braço de Carlo Magno. A estrutura entrou em funcionamento na segunda-feira, 12 de novembro, e permanecerá aberta até domingo, 18 de novembro, com horários de atendimento das 10h às 22h. Já o laboratório de análises, ficará aberto das 8:00 às 13:00.

As instituições de saúde que disponibilizaram seus seus serviços são: Fundação Policlinico Universitario A. Gemelli, Universidade de Roma Tor Vergata, grupo Bios S.p.A., a ONG Roma Cares, o hospital San Giovanni Addolorata. Uma ambulância estará sempre presente e disponível no Posto de Saúde, para aqueles que porventura possam precisar de cuidados especiais que não podem ser realizados dentro da própria estrutura. No ano passado, mais de 600 pessoas foram atendidas e tratadas, algumas das quais em estado grave.

Voluntariado
No sábado, 17 novembro, às 20h00, na Basílica de São Lourenço Fora dos Muros, haverá uma Vigília de Oração para as associações de voluntariado, que como verdadeiros agentes de misericórdia, no silêncio e na discrição, oferecem um serviço constante para essas pessoas que vivem as diferentes formas de pobreza e exclusão, que infelizmente produzem a sociedade de hoje.

FONTE
Jackson Erpen
Vatican News

Papa Francisco oferece Posto de Saúde aos Pobres

nov 12, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

No telão, imagem de cartaz promocional da iniciativa

Cidade do Vaticano - Quem passava pela Praça São Pedro por estes dias ficava curioso em saber de que se tratava a estrutura que estava sendo montada próximo ao posto-móvel dos Correios Vaticanos, no lado esquerdo da Praça. Trata-se de um posto de saúde, que durante uma semana, até o próximo domingo – quando será celebrado o II Dia Mundial dos Pobres – atenderá pessoas com dificuldades. Depois de rezar o Angelus, o Papa Francisco fez votos de que este dia promova uma crescente atenção às necessidades dos últimos, dos marginalizados e dos famintos: “No próximo domingo será celebrado o Segundo Dia Mundial dos Pobres, com muitas iniciativas de evangelização, de oração e partilha. Também aqui na Praça São Pedro, foi montado um posto de saúde que oferecerá tratamento por uma semana àqueles que estão em dificuldade. Faço votos de que este dia promova uma crescente atenção às necessidades dos últimos, dos marginalizados e dos famintos”.

Este pobre clama e o Senhor o escuta” é o tema deste II Dia Mundial dos Pobres, a ser celebrado em 18 de novembro. “Convido os irmãos bispos, os sacerdotes e de modo particular os diáconos, a quem foram impostas as mãos para o serviço dos pobres, juntamente com as pessoas consagradas e tantos leigos e leigas que, nas paróquias, associações e movimentos, tornam palpável a resposta da Igreja ao clamor dos pobres, a viver este Dia Mundial como um momento privilegiado de nova evangelização. Os pobres evangelizam-nos, ajudando-nos a descobrir cada dia a beleza do Evangelho. Não deixemos cair em saco roto esta oportunidade de graça. Neste dia, sintamo-nos todos devedores para com eles, a fim de que, estendendo reciprocamente as mãos uns para os outros, se realize o encontro salvífico que sustenta a fé, torna concreta a caridade e habilita a esperança a prosseguir segura no caminho rumo ao Senhor que vem”, escreveu o Papa em sua mensagem para a ocasião, com a data de 13 de junho de 2018, Memória Litúrgica de Santo Antônio de Lisboa.

Uma Santa Missa presidida pelo Papa Francisco na Basílica de São Pedro, às 10 horas (horário italiano), marcará essa recorrência. O Vatican News transmitirá a celebração, com comentários em português, a partir das 9h55, horário italiano (6h55, horário de Brasília).

FONTE 
Jackson Erpen 
Vatican News

“Que as igrejas não se tornem um mercado”, pediu o Papa Francisco

nov 9, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa celebra a missa na Casa Santa Marta

Cidade do Vaticano - O Papa Francisco celebrou a missa na capela de sua residência, a Casa Santa Marta, nessa sexta-feira, 9 de novembro. Na homilia, ele comentou o Evangelho do dia, extraído de João, explicando as motivações que levam à agressividade de Jesus, que expulsa violentamente os mercantes do Templo. O Filho de Deus é impulsionado pelo amor, “pelo zelo” que sente pela casa do Senhor, “convertida num mercado”.

Os ídolos escravizam
Entrando no templo, onde se vendiam bois, ovelhas e pombas, na presença dos cambistas, Jesus reconhece que aquele lugar era povoado por idolatras, homens prontos a servir ao “dinheiro” ao invés de “Deus”. “Por trás do dinheiro há o ídolo”, destacou Francisco, os ídolos são sempre de ouro. E os ídolos escravizam: Isso nos chama a atenção e nos faz pensar em como nós tratamos os nossos templos, as nossas igrejas; se realmente são casa de Deus, casa de oração, de encontro com o Senhor; se os sacerdotes favorecem isso. Ou se parecem com os mercados. Eu sei… algumas vezes eu vi – não aqui em Roma, mas em outro lugar – vi uma lista de preços. “Mas como pagar pelos Sacramentos?”. “Não, é uma oferta”. Mas se querem dar uma oferta – e devem dá-la – que a coloquem na caixa das ofertas, escondido, que ninguém veja quanto está dando. Também hoje existe este perigo: “Mas devemos manter a Igreja. Sim, sim, sim, realmente.” Que os fiéis a mantenham, mas na caixa das ofertas, não com uma lista de preços.

Que as igrejas não se tornem mercado
O Papa Francisco adverte também para a tentação da mundanidade: Pensemos em algumas celebrações de algum Sacramento talvez, ou comemorativas, onde você vai e vê: não sabe se é um local de culto, a casa de Deus ou uma salão social. Algumas celebrações que escorregam para a mundanidade. É verdade que as celebrações têm que ser bonitas – bonitas –, mas não mundanas, porque a mundanidade depende do deus dinheiro. É uma idolatria também. Isso nos faz pensar, e também no que diz respeito a nós: como é o nosso zelo pelas nossas igrejas, o respeito que nós temos ali quando entramos.

O templo do coração
O Pontífice refletiu depois sobre a primeira carta de São Paulo aos Coríntios, esclarecendo que também o coração de cada um de nós representa “um templo: templo de Deus”. Mesmo conscientes de sermos pecadores, portanto, cada um deveria interrogar o próprio coração para verificar se é “mundano e idolatra”. Eu não pergunto qual é o seu pecado, o meu pecado. Pergunto se existe dentro de você um ídolo, se há o senhor dinheiro. Porque quando existe o pecado há o Senhor Deus misericordioso que perdoa se você vai até Ele. Mas se há o outro senhor – o deus dinheiro – você é um idolatra, isto é, um corrupto: não mais um pecador, mas um corrupto. O cerne da corrupção é justamente uma idolatria: é ter vendido a alma ao deus dinheiro, ao deus poder. É um idolatra.

FONTE
Vatican News
Barbara Castelli

Tema para o Dia Mundial da Paz 2019 é apresentado

nov 6, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

O 52ª Dia Mundial da Paz será celebrado em 1° de janeiro de 2019

Cidade do Vaticano - A boa política está a serviço da paz” é o tema da mensagem do 52ª Dia Mundial da Paz, que será celebrado em 1° de janeiro de 2019, divulgado nesta terça-feira (06/11). “A responsabilidade política pertence a cada cidadão, em particular a quem recebeu o mandato de proteger e governar. Esta missão consiste em salvaguardar o direito e incentivar o diálogo entre os membros da sociedade, entre gerações e culturas”, ressalta uma nota da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Não há paz sem confiança recíproca e a confiança tem como primeira condição o respeito pela palavra dada. O compromisso político, uma das mais altas expressões da caridade, traz a preocupação pelo futuro da vida e do planeta, dos jovens e das crianças, em sua sede de realização”, destaca ainda o texto. Segundo a nota, “quando o homem é respeitado em seus direitos, como recordava São João XXIII na Encíclica Pacem in terris (1963), germina nele o sentido do dever de respeitar os direitos dos outros”.

Os direitos e deveres do ser humano aumentam a consciência de pertencer a uma mesma comunidade, com os outros e com Deus. Portanto, somos chamados a levar e anunciar a paz como a boa nova de um futuro em que todo ser humano será considerado em sua dignidade e seus direitos”, conclui a nota da Sala de Imprensa da Santa Sé.

FONTE
Vatican News

Papa se emociona ao conhecer projeto de navio hospital na Amazônia

nov 5, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

 WhatsApp Image 2018-11-05 at 12.38.39.jpeg

Cidade do Vaticano - O Papa Francisco se emocionou esta manhã ao receber em audiência o Bispo do Óbidos, Dom Bernardo Bahlmann, que apresentou ao Pontífice o projeto “Barco/Navio Hospital Papa Francisco”. Trata-se de um projeto “ousado” – como definiu o bispo alemão -, que vai percorrer mil quilômetros do Estado do Pará, oferecendo atendimento médico a mil comunidades ribeirinhas e 12 municípios, num total de cerca de 700 mil pessoas. Na audiência, foi apresentado ao Pontífice um vídeo de cinco minutos e uma maquete do projeto.

O projeto foi solicitado pelo próprio Pontífice quando visitou o Hospital administrado pela Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus no Rio de Janeiro, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude de 2013. Foi então que o Papa perguntou ao Frei Francisco Belotti se eles estavam presentes na Amazônia, encorajando um projeto naquela região.

A finalidade é levar saúde às comunidades ribeirinhas na região amazônica e atuar na prevenção do câncer, com a realização de exames e triagem para pesquisas em parceria com as Universidades nas patologias de maior incidência na região. Frei Francisco também estava na audiência com o Papa.

FONTE 
Bianca Fraccalvieri 
Vatican News

ANGELUS | O Papa Francisco reza na Solenidade de Todos os Santos

nov 1, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

 Papa no Angelus desta quinta-feira, Solenidade de Todos os Santos

Cidade do Vaticano - O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, nesta quinta-feira (1º/11), Solenidade de Todos os Santos que será celebrada pela Igreja no Brasil, no próximo domingo. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice sublinhou que a Primeira Leitura da liturgia de hoje, extraída do Livro do Apocalipse, “nos fala do céu e nos coloca diante de uma grande multidão, incalculável, de nações, tribos, povos e línguas”.

Estamos unidos a todos os santos
São os santos. O que fazem lá em cima? Cantam juntos, louvam a Deus com alegria. Seria bonito ouvir o canto deles! Podemos imaginá-lo: sabem quando? Durante a missa, quando cantamos «Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do universo…». É um hino, diz a Bíblia, que vem do céu, que se canta lá: um hino de louvor. Então, cantando o “Santo”, não somente pensamos nos santos, mas fazemos o que eles fazem: naquele momento, na missa, estamos unidos a eles mais do que nunca.

Segundo o Papa, “estamos unidos a todos os santos, não somente aos mais conhecidos, do calendário, mas também aos “da porta ao lado”, aos nossos familiares e conhecidos que agora fazem parte daquela grande multidão”. “Hoje, então, é a festa da família”, sublinhou Francisco. “Os santos estão próximos a nós, aliás, são os nossos verdadeiros irmãos e irmãs. Eles nos entendem, nos amam, sabem qual é o nosso verdadeiro bem, nos ajudam e esperam por nós. São felizes e nos querem felizes com eles no paraíso.

Caminho das Bem-aventuranças
O Papa disse que os santos “nos convidam para o caminho da felicidade, indicada no Evangelho de hoje, tão bonito e conhecido: «Felizes os pobres em espírito (…). Felizes os mansos (…). Felizes os puros de coração …». Mas como? O Evangelho diz: felizes os pobres, enquanto o mundo diz: felizes os ricos. O Evangelho diz: felizes os mansos, e o mundo diz: felizes os prepotentes. O Evangelho diz: felizes os puros, e o mundo: felizes os espertos e os que buscam prazer. Este caminho das bem-aventuranças, da santidade, parece conduzir à derrota. Porém, nos recorda novamente a primeira leitura, os santos trazem “palmas nas mãos”, isto é, os símbolos da vitória. Eles venceram, não o mundo e nos exortam a escolher a sua parte, a de Deus que é Santo.” O Papa nos convidou a fazer as seguintes perguntas: “De que lado estamos? Do lado céu ou da terra? Vivemos para o Senhor ou para nós mesmos, para a felicidade eterna ou para alguma satisfação imediata? Perguntemo-nos: queremos realmente a santidade? Ou nos contentamos em ser cristãos sem infâmia e sem louvores, que acreditam em Deus e estimam os outros sem exagerar?”

O Senhor “pede tudo, e o que Ele oferece é a vida verdadeira. Oferece tudo, oferece a felicidade para a qual fomos criados”. “Em síntese, ou a santidade ou nada! Faz-nos bem nos deixarmos ser provocados pelos santos, que aqui não tiveram meias medidas e do além “torcem” por nós, para que escolhamos Deus, a humildade, a mansidão, a misericórdia, a pureza, para que nos apaixonemos pelo céu antes que pela terra.”

Desfrutar da felicidade de Deus
Francisco concluiu, dizendo que “hoje, nossos irmãos e irmãs não nos pedem para ouvir de novo um belo Evangelho, mas para colocá-lo em prática, para seguir o caminho das bem-aventuranças”. “Não se trata de fazer coisas extraordinárias, mas de seguir esse caminho todos os dias que nos leva ao céu, para a família e para casa. Hoje, nós entrevemos o nosso futuro e celebramos aquilo para o qual nascemos: nascemos para nunca mais morrer, nascemos para desfrutar da felicidade de Deus!

O Senhor nos encoraja e a quem segue o caminho das bem-aventuranças diz: «Fiquem alegres e contentes, porque será grande para vocês a recompensa no céu». Que a Santa Mãe de Deus, Rainha dos Santos, nos ajude a caminhar com decisão pela estrada da santidade. Ela, que é a Porta do Céu, introduza os nossos amados defuntos na família celeste”, concluiu o Papa.

Corrida dos Santos
Após a oração mariana do Angelus, Francisco saudou com afeto os peregrinos provenientes da Itália e demais países, famílias, grupos paroquiais, associações e grupos escolares. Saudou especialmente os participantes da “Corrida dos Santos”, promovida pela Fundação Missão Dom Bosco, para viver numa dimensão de festa popular a Solenidade de Todos os Santos. “Obrigado por esta bela iniciativa e pela sua presença”, disse.

A seguir, o Papa recordou que nesta sexta-feira (02/11), Comemoração de todos os fiéis defuntos, Dia de Finados, irá ao Cemitério Laurentino, em Roma. “Peço a todos vocês para me acompanharem com a oração neste dia de sufrágio por aqueles que nos precederam na fé e dormem o sono da paz.” Por fim, desejou a todos uma boa festa na companhia espiritual dos santos e pediu aos fiéis para não se esquecerem de rezar por ele.

FONTE
Vatican News

ANGELUS: a fala do Papa Francisco aos fiéis

out 21, 2018   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

Papa Francisco - Angelus Domini

Cidade do Vaticano - A mensagem do Mestre é clara: enquanto os grandes da terra constroem “tronos” para o próprio poder, Deus escolhe um trono incômodo, a Cruz, para dali reinar dando a vida”: foi o que disse o Papa Francisco no Angelus deste domingo (21/10) na Praça São Pedro, repleta de fiéis e peregrinos provenientes de todo o mundo. “O Filho do Homem – disse – não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”, explicou, acrescentando: “o caminho do amor está sempre ‘em prejuízo’, porque amar significa deixar de lado o egoísmo, a auto-referencialidade, para servir os outros”.

Para o Papa Francisco “o caminho do serviço é o antídoto mais eficaz contra a doença da busca dos primeiros lugares, é o remédio para carreiristas; esta busca dos primeiros lugares contagia muitos contextos humanos e não poupa nem mesmo os cristãos, o povo de Deus, também a hierarquia eclesiástica”. “Por isso, como discípulos de Cristo, acolhamos este Evangelho como um chamado à conversão, para testemunhar com coragem e generosidade uma Igreja que se inclina aos pés dos últimos, para servir-lhes com amor e simplicidade.

O Evangelho deste domingo – disse Francisco no início da sua alocução – descreve Jesus que, mais uma vez, com grande paciência, tenta corrigir seus discípulos convertendo-os da mentalidade do mundo àquela de Deus. A ocasião foi oferecida pelos irmãos Tiago e João, os dois primeiros apóstolos que Jesus encontrou e chamou para segui-lo. Já tinham caminhado muito com Jesus, e pertenciam ao grupo dos doze Apóstolos. Por isso, enquanto caminhavam para Jerusalém, onde os discípulos esperavam com ânsia que Jesus, por ocasião da Festa da Páscoa, pudesse finalmente instaurar o Reino de Deus, os dois irmãos tomaram coragem e dirigiram ao Mestre seus pedidos: “’Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória!’ (v.37).

Jesus sabe que Tiago e João têm um grande entusiasmo por Ele e pela causa do Reino, mas também sabe que as suas expectativas e seu zelo estão poluídos pelo espírito do mundo. Por isso responde: “Vós não sabeis o que pedis” (v.38). e enquanto eles falavam de “tronos de glória” para sentar ao lado do Cristo Rei, Ele fala de um cálice a ser bebido, de um “batismo” a ser recebido, ou seja, da sua paixão e morte. Tiago e João, sempre pensando ao privilégio esperado, dizem de ímpeto: sim, “podemos”! Mas, aqui também,  - disse Francisco – “não se dão conta do que dizem. Jesus preanuncia que eles irão beber o cálice e receberão o batismo, isto é, assim como os outros Apóstolos eles participarão da sua cruz, quando chegar sua hora. Mas, conclui Jesus – “não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. É para aqueles a quem foi reservado!”. (v.40). Ou seja: agora vocês me sigam e aprendam o caminho do amor “em prejuízo”, e quanto ao prêmio, será o Pai Celeste a dar.

O Papa concluiu pedindo à Virgem Maria, que aceitou plenamente e com humildade à vontade de Deus, para que nos ajude a seguir com alegria Jesus no caminho do serviço, o caminho principal que leva ao Céu.

FONTE 
Silvonei José
Vatican News

Páginas:«1234567...142»

Facebook

Twitter