Exibindo artigos em "Notícias"

QUINTA-FEIRA SANTA | Missa da Ceia do Senhor

mar 28, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

    Na esperança de alcançarmos a Ressurreição de Jesus, somos chamados a viver o Tríduo Pascal; que começa com a Missa vespertina da Ceia do Senhor. O centro dessa “sequência” é a Vigília Pascal. Encerrando-se com as Vésperas do Domingo da Ressurreição (NALC, n.19). Acompanhe dia-a-dia a explicação resumida de cada Celebração:

    Nos recorda a Ceia do Senhor. Quando Ele prediz sua Paixão e Morte e despede-se dos apóstolos na última ceia. Neste dia, Jesus instituiu a Eucaristia e o Sacerdócio. Na celebração o sacerdote lava os pés de doze pessoas convidadas (em nossa Comunidade serão jovens; em sintonia com a Campanha da Fraternidade e Jornada Mundial), na tradicional cerimônia chamada de “Missa dos Lava-pés”. É o sinal do serviço e da humildade.
    Ao final da missa se faz a Trasladação do Santíssimo Sacramento e, em seguida, todos se colocam em vigília.

SERVIÇO
Missa da Instituição da Eucaristia, do
Sacerdócio e Lava Pés
20h | Santuário São Judas Tadeu

Caminhada Penitencial até Eng. Schmidt
23h45 | Santuário São Judas Tadeu

Rua José Bonifácio, 1598
Jardim Roseiral | São José do Rio Preto – SP

Lava-pés: colocar-se a serviço de modo humilde, dos mais humildes

mar 28, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

     Cidade do Vaticano (RV) – Na tarde desta Quinta-Feira Santa, Papa Francisco celebra a Santa Missa da Ceia do Senhor no Instituto Penal para Menores de Casal del Marmo. Esta Missa é caracterizada pelo rito do Lava-pés.
    Celebrando no Instituto Penal para Menores, Francisco dá assim continuidade a uma tradição que assumiu quando ainda sacerdote. Em Buenos Aires, Bergoglio costumava celebrar esta Missa em prisões ou casas para pobres e marginalizados.
    Para uma reflexão sobre o significado deste gesto, nós contatamos o Bispo responsável pela Pastoral Carcerária, Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Mogi das Cruzes, em São Paulo:
    A Semana Santa é um momento tão importante na vida da Igreja, um momento tão importante para a vida dos cristãos católicos. É um retiro espiritual, como se costuma dizer. Celebramos os principais mistérios das passagens da vida do Cristo e o mistério da salvação: a paixão, a morte e a ressurreição do Senhor – o tríduo pascal é assim a maior festa litúrgica da Igreja Católica durante o ano.
    Na Quinta-feira Santa, o Evangelho traz o texto do Lava-pés, ou seja, no fundo é a Igreja querendo ensinar que quem entendeu o significado da eucaristia deixado por Jesus, memorial da Páscoa, da Nova Aliança, quem celebra a eucaristia tem que se colocar a serviço e a serviço de modo humilde, e a serviço dos humildes e dos pequenos.  E aí que entra a proclamação do Evangelho de João, capítulo 13, que é o texto do lava-pés – esta passagem tão bonita de Jesus, que antes de entregar sua vida quis realizar este gesto. Gesto simples, mas ao mesmo tempo tão contundente a ponto de S. Pedro não entender. Ou seja, quem celebra a eucaristia tem que se colocar a serviço, a serviço do mais humilde.
    Este ano, a Festa da Páscoa coincide com a chegada de Francisco. Este Papa que nos surpreendeu vindo da América Latina, nos surpreendeu pelo nome que escolheu – é a primeira vez que um Papa se chama Francisco, evocando a figura de S. Francisco de Assim, que mais do que ninguém foi o santo que lavou mesmo os pés: ele foi abraçar o leproso, foi ao encontro dos mais pobres. Então tudo coincide e mais ainda o fato de que o Papa Francisco escolheu lavar os pés de jovens que estão privados da liberdade, em recuperação. Isso será um gesto muito profético. Vamos aprender com tudo isso, vamos aprender com o gesto de Jesus, que se repete na Igreja, e ao qual todos nós, cristãos, somos chamados a realizar e que o Papa Francisco está evidenciando.
    E quando se trata da situação dos presos, dentro daquele espírito do Evangelho de Mateus, ‘estive preso e me visitaste’ – quando se fala desta situação, estamos diante da situação social mais grave. Porque uma coisa é socorrermos uma criança indefesa, todos nós gostamos de fazer isso, outra coisa é ir ao encontro daqueles que um dia praticaram atos contra a sociedade e que vivem numa situação muito precária, muito desafiadora.
(BF)

Francisco na Missa do Crisma: “Ser pastor é sentir o cheiro das ovelhas”

mar 28, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

    Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco celebrou na manhã desta Quinta-feira Santa, que abre o Tríduo Pascal, a Missa do Crisma na Basílica Vaticana.
    Em sua homilia, falou da simbologia dos ungidos, seja na forma, seja no conteúdo. A beleza de tudo o que é litúrgico, explicou, não se reduz ao adorno e bom gosto dos paramentos, mas é presença da glória do nosso Deus que resplandece no seu povo vivo e consolado.
    “O óleo precioso, que unge a cabeça de Aarão, não se limita a perfumá-lo, mas se espalha e atinge «as periferias». O Senhor dirá claramente que a sua unção é para os pobres, os presos, os doentes e quantos estão tristes e abandonados. A unção não é para perfumar a nós mesmos, e menos ainda para que a conservemos num frasco, pois o óleo tornar-se-ia rançoso… e o coração amargo.”
    Para Francisco, o bom sacerdote reconhece-se pelo modo como é ungido o seu povo: “Nota-se quando o povo é ungido com óleo da alegria; por exemplo, quando sai da Missa com o rosto de quem recebeu uma boa notícia. O nosso povo gosta do Evangelho quando é pregado com unção, quando o Evangelho que pregamos chega ao seu dia a dia, quando escorre como o óleo de Aarão até às bordas da realidade, quando ilumina as situações extremas, «as periferias» onde o povo fiel está mais exposto à invasão daqueles que querem saquear a sua fé”.
    Ser sacerdote é estar nesta relação com Deus e com o seu povo, pois assim a graça passa através dele para ser mediador entre Deus e os homens. Esta graça, todavia, precisa ser reavivada, para intuir o desejo do povo de ser ungido e experimentar o seu poder e a sua eficácia redentora: “Nas «periferias» onde não falta sofrimento, há sangue derramado, há cegueira que quer ver, há prisioneiros de tantos patrões maus”.
    Não é nas reiteradas introspecções que encontramos o Senhor, adverte o Pontífice, nem mesmo nos cursos de autoajuda. O poder da graça cresce na medida em que, com fé, saímos para nos dar a nós mesmos oferecendo o Evangelho aos outros, para dar a pouca unção que temos àqueles que nada têm.
    “O sacerdote que sai pouco de si mesmo, que unge pouco, perde o melhor do nosso povo, aquilo que é capaz de ativar a parte mais profunda do seu coração presbiteral.  Quem não sai de si mesmo, em vez de ser mediador, torna-se pouco a pouco um intermediário, um gestor. Daqui deriva precisamente a insatisfação de alguns, em vez de serem pastores com o «cheiro das ovelhas», pastores no meio do seu rebanho, e pescadores de homens.”
    Para enfrentar a crise de identidade sacerdotal, que se soma à crise de civilização, Papa Francisco convida a lançar as redes em nome Daquele em que depositamos a nossa confiança: Jesus.
    E conclui: “Amados fiéis, permanecei unidos aos vossos sacerdotes com o afeto e a oração, para que sejam sempre Pastores segundo o coração de Deus. Amados sacerdotes, Deus Pai renove em nós o Espírito de Santidade com que fomos ungidos, o renove no nosso coração de tal modo que a unção chegue a todos, mesmo nas «periferias» onde o nosso povo fiel mais a aguarda e aprecia”.

Por radiovaticana.va

VIVA A COMUNIDADE | Quinta-feira, 28 de Março de 2013

mar 28, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

INSTITUIÇÃO DA EUCARISTIA E SACERDÓCIO

MOMENTOS CELEBRATIVOS A SÃO JUDAS COM BÊNÇÃOS
7h | Pe. Márcio
9h | Pe. Luiz Caputo
11h30 | Pe. Chiquetto
15h | Pe. Chiquetto

MISSA DA CEIA DO SENHOR COM LAVA PÉS
20h | Pe. Luiz Caputo

CAMINHADA PENITENCIAL
23h50 | Eng. Schmidt

LITURGIA DIÁRIA
Ex 12,1-8.11-14
1Cor 11,23-26
Salmo 115 | “Vocês compreenderam o que acabei de fazer?”

EVANGELHO | Jo 13,1-15
1Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.2Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido.6Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”. 8Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”.10Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.11Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”.12Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

Primeira Audiência Geral: “Na Semana Santa, abrir as portas do nosso coração”

mar 27, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

     Esta quarta-feira realizou-se a primeira Audiência Geral do Papa Francisco.
   A Praça S. Pedro estava cheia para ouvir as palavras do Pontífice, que dedicou sua catequese à Semana Santa. Depois da Páscoa, anunciou ele, retomará as catequeses sobre o Ano da Fé, como vinha fazendo seu predecessor.
   “Mas que significa viver a Semana Santa para nós?” – questionou. É acompanhar Jesus no seu caminho rumo à Cruz e à Ressurreição. Em sua missão terrena, ele falou a todos, sem distinção, aos grandes e aos humildes, trouxe o perdão de Deus e sua misericórdia, ofereceu esperança; consolou e curou. Foi presença de amor.
   Na Semana Santa, vivemos o vértice desse caminhada de Jesus, que se entregou voluntariamente à morte para corresponder ao amor de Deus Pai, em perfeita união com sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós.
   O Papa então perguntou: “Que tudo isso tem a ver conosco? Significa que esta é também a minha, a tua, a nossa caminhada. Viver a Semana Santa seguindo Jesus quer dizer aprender a sair de nós mesmos, ir ao encontro dos outros, ir às periferias da existência, encontrar sobretudo os mais distantes, os que mais necessitam de compreensão, de consolação, de ajuda”.
    Viver a Semana Santa é entrar sempre mais na lógica de Deus, do Evangelho. Mas acompanhar Cristo exige sair de nós mesmos, deixar de lado um modo habitudinário de viver a fé . Deus saiu de Si mesmo para vir ao nosso encontro e também nós devemos fazer o mesmo. A falta de tempo não é desculpa, disse o Papa. Não podemos nos contentar com uma oração, uma Missa dominical distraída e não constante, de algum gesto de caridade, e não ter a coragem de “sair” para levar Cristo.

    “A Semana Santa é um tempo de graça que o Senhor nos doa para abrir as portas do nosso coração, da nossa vida, das nossas paróquias, dos movimentos, das associações, e ‘sair’ ao encontro dos outros para levar a luz e a alegria da nossa fé, um raio de amor do Senhor. Sair sempre! E isso com o amor e a ternura de Deus, no respeito e na paciência.”
    Após a catequese, como de costume, o Pontífice saudou os grupos presentes. Francisco não falou nas várias línguas, mas sim em italiano. A síntese da catequese e da saudação foi lida por um tradutor. Em português, foi feita pelo Pe. Bruno Lins:
    Queridos irmãos e irmãs, na Semana Santa, centro de todo o Ano Litúrgico, somos chamados a seguir Jesus pelo caminho do Calvário em direção à Cruz e Ressurreição. Este é também o nosso caminho. Ele entregou-se voluntariamente ao amor de Deus Pai, unido perfeitamente à sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós: assim o vemos na Última Ceia, dando-nos o seu Corpo e o seu Sangue, para permanecer sempre conosco. Portanto, a lógica da Semana Santa é a lógica do amor e do dom de si mesmo, que exige deixar de lado as comodidades de uma fé cansada e rotineira para levar Cristo aos demais, abrindo as portas do nosso coração, da nossa vida, das nossas paróquias, movimentos, associações, levando a luz e a alegria da nossa fé. Viver a Semana Santa seguindo Jesus significa aprender a sair de nós mesmos para ir ao encontro dos demais, até as periferias da existência. Há uma necessidade imensa de levar a presença viva de Jesus misericordioso e rico de amor. Queridos peregrinos de língua portuguesa, particularmente os grupos de jovens vindos de Portugal e do Brasil: sede bem-vindos! Desejo-vos uma Semana Santa abençoada, seguindo o Senhor com coragem e levando a quantos encontrardes o testemunho luminoso do seu amor. A todos dou a Bênção Apostólica!
(BF)

Papa Francisco quer que a Missa da Ceia do Senhor seja extremamente simples – celebrará com 50 jovens reclusos menores

mar 27, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

     A Missa da Ceia do Senhor, que será celebrada quinta-feira à tarde no Instituto para Menores de Casal del Marmo, será “extremamente simples”, por “expressa vontade do Santo Padre”, informou a Sala de Imprensa da Santa Sé. Com o Papa Francisco concelebrarão o Cardeal Agostino Vallini e o capelão do Instituto, Padre Gaetano Greco.
    Cinquenta jovens do Instituto Penal participarão da celebração, entre os quais 11 meninas. Do lava-pés participarão 12 jovens, de nacionalidades e religiões diferentes. A animação da celebração ficará a cargo de um grupo de 40 voluntários da Associação denominada “Voluntários Casal del Marmo” e de membros do Renovamento Carismático que animam a liturgia dominical realizada no Instituto. As leituras e as preces dos fiéis serão feitas pelos jovens. Após a celebração está previsto um encontro na Academia, reunindo cerca de 150 pessoas e nessa ocasião o Santo Padre saudará os membros do Instituto. Entre as autoridades presentes estarão a Ministra da Justiça, Paola Severino, a Chefe do Departamento para a Justiça de menores Caterina Chinnici, o Comandante da Polícia Penitenciária de Casal del Marmo, Saulo Patrizi e a Diretora do Instituto Liana Giambartolomei.
    Os jovens presentearão o Papa com um crucifixo de madeira e um faldistório, fabricado por eles na oficina de artesanato do Instituto. O Santo Padre dará aos jovens ovos de chocolate e a “colomba” da Páscoa que é um doce tradicional italiano em forma de pomba.

VIVA A COMUNIDADE | Quarta-feira, 27 de Março de 2013

mar 27, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

BÊNÇÃO COM SANTAS RELÍQUIAS DE SÃO JUDAS
19h | Pe. Luiz Caputo

MISSA DOS SANTOS ÓLEOS
20h | Catedral

ENCONTROS
8h | Reza do Terço (Legião)
14h30 | Visita Hospital Austa

LITURGIA DIÁRIA
Is 50,4-9
Salmo 68 | “Judas procurava uma boa oportunidade para entregar Jesus.”

EVANGELHO | Mt 26,14-25
Naquele tempo, 14um dos doze discípulos, chamado Judas Isca¬riotes, foi ter com os sumos sacerdotes 15e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. 16E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus.17No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” 18Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”.19Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. 20Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. 21Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. 22Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?”23Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. 24O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” 25Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”.

Francisco: Deus é paciente com as nossas fraquezas

mar 26, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

 

  Cidade do Vaticano (RV) – Durante a Semana Santa, pensemos na “paciência” que Deus tem com cada um de nós. Foi o que disse o Papa Francisco na manhã desta segunda-feira durante a breve homilia da missa por ele presidida na Capela da “Casa Santa Marta”, no Vaticano, da qual participaram, entre outros, os jornalistas do L’Osservatore Romano.
   O emblema da infinita paciência que Deus tem pelo homem está refletido na infinita paciência que Jesus tem por Judas. O Santo Padre serviu-se da cena do Evangelho do dia, no qual Judas critica a atitude de Maria, irmã de Lázaro, de ungir os pés de Jesus com trezentos gramas de precioso perfume: teria sido melhor vendê-lo e dar o ganho aos pobres – defende Judas.
   João observa no Evangelho que Judas não estava interessado pelos pobres, mas pelo dinheiro, que inclusive roubava. No entanto, “Jesus não lhe disse: ‘És um ladrão’”, observou o Papa.
  Com o amor, afirmou, “foi paciente com Judas, buscando atraí-lo a si com a sua paciência, com o seu amor. E nos fará bem pensar – acrescentou – nesta Semana Santa, na paciência de Deus, naquela paciência que o Senhor tem conosco, com as nossas fraquezas, com os nossos pecados.”
  O Pontífice observou que também o trecho de Isaías, na primeira leitura, ao apresentar “o ícone daquele ‘servo de Deus’, evidenciou a mansidão e a paciência de Jesus – que é a paciência de Deus mesmo”.
  “Quando se pensa na paciência de Deus: isso é um mistério!”, exclamou o Papa Francisco. “Quanta paciência Ele tem conosco! Fazemos tantas coisas, mas Ele é paciente.” E o é, disse ainda, “como aquele pai que o Evangelho diz que viu o filho de longe, aquele filho que tinha ido embora com todo o dinheiro da sua herança”.
   E por que o viu de longe? – perguntou-se o Papa. “Porque todos os dias olhava do alto para ver se o filho retornava.” “Essa é a paciência de Deus”, repetiu o Papa Francisco, “essa é a paciência de Jesus”.
   E concluiu: “Pensemos numa relação pessoal, nesta Semana: como tem sido na minha vida a paciência de Jesus comigo? Basta isso. Depois, sairá do nosso coração uma só palavra: ‘Obrigado, Senhor! Obrigado por sua paciência”. (RL)

VIVA A COMUNIDADE | Terça-feira, 26 de Março de 2013

mar 26, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

MISSA NO SANTUÁRIO
19h30 | Pe. Chiquetto

ENCONTROS
15h | Reza do Terço (Pastoral 3ª Idade)
18h | Confissões (Pe. Chiquetto)

LITURGIA DIÁRIA
Is 49,1-6
Salmo 70 | “Eu garanto que um de vocês vai me trair.”

EVANGELHO | Jo 13,21-33.36-38
Naquele tempo, estando à mesa com seus discípulos, 21Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou: “Em verdade, em verdade vos digo, um de vós me entregará”.22Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus estava falando.23Um deles, a quem Jesus amava, estava recostado ao lado de Jesus. 24Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem Jesus estava falando. 25Então, o discípulo, reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe: “Senhor, quem é?”26Jesus respondeu: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão passado no molho”. Então Jesus molhou um pedaço de pão e deu-o a Judas, filho de Simão Isca¬riotes. 27Depois do pedaço de pão, Satanás entrou em Judas. Então Jesus lhe disse: “O que tens a fazer, executa-o depressa”.28Nenhum dos presentes compreendeu por que Jesus lhe disse isso. 29Como Judas guardava a bolsa, alguns pensavam que Jesus lhe queria dizer: ‘Compra o que precisamos para a festa’, ou que desse alguma coisa aos pobres. 30Depois de receber o pedaço de pão, Judas saiu imediatamente. Era noite. 31Depois que Judas saiu, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará logo. 33Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. Vós me pro¬curareis, e agora vos digo, como eu disse também aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’”.36Simão Pedro perguntou: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu-lhe: “Para onde eu vou, tu não me podes seguir agora, mas seguirás mais tarde”. 37Pedro disse: “Senhor, por que não posso seguir-te agora? Eu darei a minha vida por ti!” 38Respondeu Jesus: “Darás a tua vida por mim? Em verdade, em verdade te digo: o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”.

VIVA A COMUNIDADE | Segunda-feira, 25 de Março de 2013

mar 25, 2013   //   por admin   //   Notícias  //  Nenhum comentário

ENCONTROS
15h | Reza do Terço (Legião)
20h | Grupo de Oração (RCC)
8º dia Novena da Misericórdia

LITURGIA DIÁRIA
Is 42,1-7
Salmo 26 | “Eis que conceberás e darás à luz um filho.”

EVANGELHO | Jo 12,1-11
1Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde morava Lázaro, que ele havia ressuscitado dos mortos. 2Ali ofereceram a Jesus um jantar; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3Maria, tomando quase meio litro de perfume de nardo puro e muito caro, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa inteira ficou cheia do perfume do bálsamo. 4Então, falou Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de entregar:5“Por que não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata, para dá-las aos pobres?” 6Judas falou assim, não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela. 7Jesus, porém, disse: “Deixa-a; ela fez isto em vista do dia da minha sepultura. 8Pobres, sempre os tereis convosco, enquanto a mim, nem sempre me tereis”.9Muitos judeus, tendo sabido que Jesus estava em Betânia, foram para lá, não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Jesus ressuscitara dos mortos.10Então, os sumos sacerdotes decidiram matar também Lázaro, 11porque por causa dele, muitos deixavam os judeus e acreditavam em Jesus.

Páginas:«1...134135136137138139140...150»

Facebook

Twitter